Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Notícias/Regional | 19/10/2012

População quer mais rigor contra o crime

Campanha pelo Fim da Impunidade já tem adesão de mais de 15 mil pessoas

Mais de 15 mil pessoas já aderiram à campanha nacional Pelo Fim da Impunidade, que defende a adoção de penalidades mais rígidas para os crimes contra a vida. A iniciativa, organizada pela União em Defesa das Vítimas de Violência (UDVV), tem apoio de movimentos de justiça e paz, além de familiares de vítimas de todo o país. O objetivo é alcançar 100 mil adesões ao abaixo-assinado que será entregue aos parlamentares que analisam nova proposta de Código Penal, que está em análise no Congresso Nacional.

“Nosso intuito, com essa campanha, é combater a violência e, principalmente, a impunidade. Por isso, é preciso que sejam realizadas mudanças significativas no texto, pois se ele for votado e aprovado do jeito que está nós teremos um Código Penal muito distante do que se imagina para a construção de uma sociedade mais justa e fraterna. Queremos chamar a atenção dos senadores e deputados para a necessidade de se incorporar medidas que acabem, de fato, com a criminalidade”, explica o coordenador da UDVV, Roberto Sekiya.

“O Brasil precisa mudar. É muito difícil conviver com essa dor. Do bandido pequeno ao grande, todos estão ficando impunes. Isso tem de mudar. O mínimo que posso fazer pelo meu filho é lutar para diminuir a impunidade no nosso país”, afirma Paulo Fernandes, pai de Leonardo Batista Fernandes, que foi sequestrado e morto aos 19 anos, em setembro passado. Os familiares do jovem têm promovido ações em Mato Grosso do Sul para coletar assinaturas para a campanha.

“Nossa meta é chegar a 100 mil assinaturas o mais rápido possível, antes da proposta ir para votação no Senado e na Câmara dos Deputados”, afirma Roberto Sekiya. Até o momento os estados de São Paulo (Grande São Paulo e região de Campinas), Minas Gerais, Rio Grande do Sul (com forte apoio da ONG Brasil Sem Grades) e Mato Grosso do Sul (Campo Grande) são os que registram maior participação.  Os organizadores programam atos específicos em locais de grande concentração para que mais pessoas possam participar.

AS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA CAMPANHA
• aumento do período máximo de prisão de 30 para 50 anos
• alteração da pena mínima para crime de homicídio simples de seis para 10 anos
• elevação do tempo para progressão de pena
• volta do exame criminológico para a concessão de benefícios penais (indulto de Natal e saídas temporárias do presídio).

Como aderir

O abaixo-assinado está disponível no site www.pelofimdaimpunidade.com.br. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail contato@pelofimdaimpunidade.com.br ou pelo telefone (11) 2225-3145. A coordenação da campanha solicita que as pessoas assinem e distribuam o documento entre os amigos, conhecidos e familiares. É possível também compartilhá-lo pelas redes sociais.

Leia também