Segunda-Feira, 25 de Setembro de 2017
Notícias - 09/09/2017

Setembro Dourado: mês de conscientização sobre o câncer infantojuvenil

O câncer é a segunda maior causa de morte de crianças e adolescentes no país

Setembro é o mês da conscientização sobre o câncer infantojuvenil, campanha  promovida pela Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer. O amarelo tem função de demonstrar um sinal de alerta para a necessidade de atitudes que levem ao diagnóstico precoce. Já a cor dourada simboliza o “padrão ouro”, que necessitam as crianças e adolescentes que sofrem da doença.


O câncer é a segunda maior causa de morte de crianças e adolescentes no país, atrás apenas de acidentes e violência. Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), todos os anos 12 mil crianças e jovens são diagnosticados com a doença no Brasil, dos quais 70% dos pacientes possuem chance de cura se diagnosticados precocemente.


A oncologista Teresa Fonseca, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica, lembra é preciso evoluir o diagnóstico precoce para que haja maiores chances de cura. “O Brasil possui uma taxa de cura em torno de 50% dos casos, distante de países como Estados Unidos, cuja taxa de cura é de 80%”, informa.


Ela destaca ainda a dificuldade que existe no Brasil de acesso desde o atendimento básico até o tratamento especializado do câncer. “Somos um país de dimensão continental, não existem condições de atendimento adequadas em todos os lugares”, diz. O tratamento do câncer infantojuvenil exige atenção às necessidades biopsicossociais do paciente. “Para isto é importante empenho de diversos setores, para que trabalhem juntos em prol de uma causa” finaliza Teresa.


Tipos mais frequentes nesta fase da vida
O câncer infantojuvenil corresponde a um grupo de várias doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. De acordo com o INCA, as leucemias (que afetam os glóbulos brancos) representam o maior percentual de incidência (26%) nessa faixa etária, seguida dos linfomas (14%) e tumores do sistema nervoso central (13%).


Também acometem crianças e adolescentes o neuroblastoma (tumor de células do sistema nervoso periférico, frequentemente de localização abdominal), tumor de Wilms (tipo de tumor renal), retinoblastoma (afeta a retina, fundo do olho), tumor germinativo (das células que vão dar origem aos ovários ou aos testículos), osteossarcoma (tumor ósseo) e sarcomas (tumores de partes moles).
 

Sintomas. Fique atento!
Palidez, dor óssea e hematomas ou sangramentos pelo corpo;
Carroços ou inchaços, especialmente se forem indolores e não acompanhados de febre – além de outros sinais de infecção;
Perda de peso inexplicada, febre e sudorese noturna;
Tosse persistente ou falta  de ar;
Alterações oculares: embranquecimento da pupila, estrabismo recente, perda visual, hematomas ou inchaço ao redor dos olhos;
Inchaço abdominal;
Dores de cabeça, sobretudo se forem incomuns e contínuas, além de vômitos frequentes pela manhã ou com piora ao longo do dia;
Dores nos membros e inchaços sem qualquer sinal de infecção ou trauma;