Domingo, 21 de Janeiro de 2018
Turismo - 30/12/2017

Capital do Maranhão ganha Museu do Reggae

São Luís é considerada o maior polo de cultura reggae fora da Jamaica

Conhecida como a Jamaica brasileira, São Luís ganhou o primeiro Museu do Reggae fora do país caribenho. O espaço, de 397 m², conta a trajetória do gênero musical no estado e já poderá ser incluído no roteiro de quem visitar a capital do Maranhão nesta temporada de férias de verão. Localizada na Praça do Reggae, tradicional espaço de radiola de reggae na capital, a construção abriga o acervo, material e imaterial, sobre o reggae maranhense.
Uma parte do material foi doada e a outra adquirida de colecionadores. São discos de vinil, gravações em vídeo, fotografias, roupas, acessórios e peças raras consideradas preciosidades por quem curte o ritmo. Entre as relíquias do museu está a guitarra usada há mais de 30 anos no primeiro show da Tribo de Jah, grupo pioneiro do reggae no Maranhão.
Outra peça importante é a radiola de reggae do serralheiro que virou DJ, Edmilson Tomé da Costa, já falecido. Ele ajudou a popularizar o gênero musical nos anos de 1970 com o sistema de som e uma discoteca de cinco mil discos adquiridos em viagens à Jamaica. Depoimentos gravados com personagens da cena reggae, livros, artigos, teses e dissertações compõem o acervo imaterial e digitalizado do museu.
 

Maior polo do ritmo fora  da Jamaica

São Luís é considerada o maior polo de cultura reggae fora da Jamaica. Uma das particularidades do estilo no estado é que as pessoas dançam agarradas. Os bares, as barracas de praia, as bandas locais e os maranhenses em geral, principalmente da capital, assimilaram e diversificaram o gênero musical, inclusive na versão eletrônica. O ritmo da Jamaica também influenciou a moda com roupas e acessórios característicos, além do visual em dreadlocks e cortes africanos.