Notícias | 12/01/2018

Cubatão: obras para transformar teatro em unidade hospitalar devem começar neste semestre

Parte do atendimento em Oncologia tem previsão de início antes da entrega da obra

Estão em fase de conclusão os estudos técnicos, visando à adaptação do antigo prédio do teatro municipal como central de atendimentos de alta complexidade médica, anexa ao Hospital Municipal Dr. Luiz Camargo da Fonseca e Silva, em Cubatão. A informação foi dada pela Fundação São Francisco Xavier, administradora do hospital, em reunião mantida na Prefeitura na quarta-feira (10).


Isso significa que as obras poderão começar ainda neste semestre. Quando a adaptação estiver completa, ali funcionarão uma câmara hiperbárica; um setor de Oncologia e outro de Nefrologia, com equipamentos para diálise e hemodiálise. 


Há recursos, da ordem de R$ 8 milhões, para a compra dos equipamentos. O dinheiro será proveniente de Termo de Ajustamento e Conduta (TAC) firmado com uma empresa local. Os serviços a serem prestados não existem hoje em Cubatão, e os pacientes têm de ser levados para unidades em outras regiões. O custo deste deslocamento é de responsabilidade da Prefeitura.


Segundo Abner Moreira de Araujo, diretor do hospital, o prédio hospitalar original abrigará uma parte da linha de atendimento de Oncologia, com os serviços de diagnóstico, prevenção, farmácia de manipulação e bloco cirúrgico. O restante do tratamento ocorrerá no prédio anexo, onde antes era o teatro.


Parte dos serviços que funcionará no hospital poderá ser entregue antes do prazo. 


Adaptações
Entre as adaptações previstas no prédio do antigo teatro constam a implantação de uma unidade de tratamento de água.


O vice-prefeito Pedro de Sá, que é engenheiro e também participou da reunião, sugeriu, na oportunidade, que as adaptações incluam melhorias no sistema de iluminação interna do prédio e paisagismo. Lembrou que, tendo sido idealizado para abrigar um teatro, o imóvel possui muitos pontos escuros e áreas de circulação com pouco conforto. Como unidade de atendimento à saúde, o prédio precisará propiciar as condições físicas para humanização do atendimento", disse.


Leia também