Cotidiano | 10/03/2018

Saiba qual a importância dos rins para o corpo

Um em cada dez adultos brasileiros apresenta evidência de disfunção renal, de acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia

Quem já ouviu falar que os rins são o filtro do corpo? E não há exagero na definição deste órgão tão fundamental para o organismo. Os rins são responsáveis por eliminar substâncias tóxicas e manter o equilíbrio do pH sanguíneo, o que influencia diretamente na saúde de outros órgãos do corpo humano.  O equilíbrio nutricional, o controle de doenças crônicas como hipertensão e diabetes e a hidratação constante são essenciais para mantê-los saudáveis.


Segundo a Sociedade Brasileira de Nefrologia, um em cada dez adultos brasileiros apresenta evidência de disfunção renal, mas, por se tratar de uma doença silenciosa, muitos indivíduos só procuram ajuda quando a doença já está em estágio mais avançado. "As pessoas com maior risco de ter doenças renais são aquelas que têm diabetes, pressão alta, com histórico do problema na família, idosos e pacientes cardiovasculares", informa a nefrologista do HCor, Leda Daud Lotaif. 


Em suas fases iniciais, a doença renal tem um tratamento simples e eficaz, principalmente a base de dieta, medicações para tratamento de pressão alta e diabetes, quando estas doenças estiverem presentes, e remédios para reduzir a eliminação de proteínas pelos rins. 

 

Identifique o problema 
Sangue na urina, inchaço nas pernas e no rosto, náuseas, vômitos, palidez, infecções urinárias recorrentes e pressão alta estão entre os principais sinais de doença renal. Leda Lotaif comenta que algumas medidas simples são capazes de detectar se a pessoa tem doença renal ou se tem maior risco de ser portador. “Basta medir a pressão arterial e pedir ao seu médico para fazer um exame de urina e a dosagem no sangue da creatinina. A creatinina é uma substância que é filtrada pelos rins, por isso o seu aumento no sangue significa que há uma diminuição da função dos rins", informa a nefrologista.

 

Evite excesso de proteína 

As dietas hiperproteícas, que se tornaram moda por acelerar a perda de peso e o ganho de massa muscular, podem ser prejudicais aos rins. E a médica explica a razão: "As proteínas são ricos nutrientes com importante função na formação de células, renovação de músculos e tecidos, mas esse processo deixa um produto final, a uréia. Se não houver uma hidratação adequada, o excesso de excreção de uréia abre portas para a formação de cristais de ácido úrico, cálculos renais e até mesmo crise de gota. O excesso de proteínas também aumenta o risco de doenças cardiovasculares e problemas no fígado.


 "Antes de consumir qualquer suplemento alimentar é preciso fazer um check-up. No caso específico de dietas com alto consumo de proteínas é necessário descartar a presença de doença renal pré-existente, muitas vezes desconhecida por não apresentar sintomas", orienta.

 

Mantenha uma dieta equilibrada

Com uma dieta equilibrada é possível obter a quantidade ideal de proteínas, carboidratos e lipídios de que o corpo precisa. Carne, peixe, ovo, leite, queijo e iogurte são riscos em proteínas de origem animal. Além disso, vegetais como ervilha, feijão e soja possuem boas quantidades do nutriente. "Basta consumi-los na proporção adequada para garantir um bom resultado de manutenção e produção de massa muscular, sem a necessidade de suplementação", recomenda a nefrologista.

 

Dicas importantes
• Invista em carnes como a do frango (peito), porco (lombo ou filé mignon), peixe e a bovina (músculo, filé mignon);
• Evite embutidos (salsicha, presunto, salame), pois são ricos em sal e conservantes, mesmo os denominados light;
• Beba bastante líquido para manter seu corpo hidratado e prevenir a formação de cálculos renais. O ideal é que a urina saia clara.


Leia também