Cotidiano/Meio Ambiente | 25/03/2019

Coleta de materiais recicláveis aumenta 300% em Santos

Em 2018, a Prefeitura de Santos recolheu 12.110 toneladas de recicláveis, um inédito aumento de 265% em relação a 2017 e 321% em relação a 2016. Com esse avanço, a média histórica, que ao longo dos últimos 26 anos jamais ultrapassou 2% de reciclagem, alcança atualmente cerca de 18%, uma das maiores taxas do País, na frente de várias capitais.


Nesta sexta-feira (22), o Ministério do Meio Ambiente capitaneou uma ação de limpeza no mangue, no bairro do São Manoel, e inaugurou, em frente à Concha Acústica, na praia do Gonzaga, a escultura do tubarão-baleia, dentro da programação de lançamento do Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar. A escolha da Cidade não foi em vão e representa o reconhecimento das ações executadas em Santos (cidade já tem plano semelhante desde junho do ano passado) e que tem evitado que mais resíduos sólidos sejam despejados no oceano.


O sucesso da coleta seletiva tende a ser ainda maior: no segundo semestre deste ano, todas as ruas da Cidade receberão um adesivo indicando o dia da coleta, para esclarecimento dos munícipes e mais adesão. O investimento previsto para esta ação é de R$ 45 mil.


“Estamos aprimorando os procedimentos, orientando a população para ampliar ainda mais a quantidade coletada de material reciclável”, afirma o prefeito Paulo Alexandre Barbosa.


O aumento de 265% na coleta seletiva foi possível graças ao Programa Recicla Santos (lei complementar 952/2016), em vigor desde 2 de julho de 2017 e que foi criado em consonância ao Plano Nacional de Resíduos Sólidos.


Por meio dele, as residências e comércios que gerem menos de 120 quilos ou 200 litros de resíduos por dia têm a obrigação de separar o lixo orgânico do reciclável diariamente. O não cumprimento dessa norma pode gerar a aplicação de multa.


Já os grandes geradores de resíduos, que produzam mais de 120 quilos ou 200 litros de resíduos por dia, devem se cadastrar na Secretaria de Meio Ambiente, apresentando o Plano de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos e contratar empresa privada devidamente licenciada para realizar a coleta dos resíduos. Mensalmente, devem comprovar à Secretaria Municipal de Meio Ambiente a destinação final ambientalmente correta de seus resíduos sólidos. Caso não haja cumprimento, é lavrada multa.


 
Geração de renda
Em Santos, 80 famílias têm a sua subsistência vinculada à coleta seletiva de lixo. Elas atuam na Cooperativa de Materiais Recicláveis Santista (Comares) que recebe todo o material reciclável coletado pelos quatro caminhões da Prodesan.


De acordo com o Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana (Selurb), o Brasil produz mais de 78,3 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano, dos quais 13,5% são de plástico. Se todo esse plástico fosse reciclado, retornaria R$ 5,7 bilhões para a economia brasileira.
 

 Foto: Raimundo Rosa/PMS
 


Leia também