Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Cotidiano/Meio Ambiente | 06/06/2019

Prefeitura de Santos vai banir plásticos descartáveis

Até o final de 2020, a Prefeitura de Santos deve banir o uso dos plásticos de uso único (copos, talheres, pratos, entre outros) dentro da Administração direta e indireta. O decreto que regulamenta a medida foi assinado na quarta-feira (5), Dia Mundial do Meio Ambiente, durante a reunião especial do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Comdema), realizada no Orquidário.


A medida tem impacto direto no meio ambiente, levando em conta que somente em 2018, a Prefeitura comprou 1,8 milhão de copos plásticos, material que leva cerca de 400 anos para se decompor na natureza.
A eliminação começa pela equipe da Secretaria de Meio Ambiente, que tem até 30 dias para aderir à exclusão total desses objetos de plástico e os substituir por artigos reutilizáveis. Os outros setores da Prefeitura terão até 31 de dezembro do próximo ano para se adequar. 


Pouco antes de assinar o documento, o prefeito Paulo Alexandre Barbosa destacou a política inovadora como mais uma ação para melhorar os indicadores da Cidade. “Visamos uma cidade sustentável, com ações coletivas. E, se nosso maior patrimônio é a qualidade de vida, precisamos cumprir essa meta também”. 
 

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, Marcos Libório, a utilização deste tipo de plástico de uso único por apenas alguns segundos ou minutos está na contramão das políticas atuais no mundo. “Ele surgiu numa linha do conforto, mas quem paga a conta é o meio ambiente e nós fazemos parte disso porque também somos prejudicados com essa poluição que geramos. Entendemos que o uso correto dos materiais reutilizáveis produz a redução do lixo e é nisso que estamos investindo”, explica. 


Pelo decreto, será possível executar a gestão dos estoques atuais da Administração e evitar novas compras do plástico de uso único. “É uma medida que fará parte da meta dos secretários”, destaca o prefeito. A exceção para o cumprimento da meta será para os casos dos itens ligados à saúde e que tecnicamente apresentam algum risco de contaminação, por exemplo.
 
 


Leia também