Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Cotidiano/Comportamento | 03/08/2019

Curtida sem noção

BÁRBARA CAMARGO - DA REDAÇÃO

Ao mesmo tempo em que aproximam as pessoas, as redes sociais podem ser motivo de muita dor de cabeça para quem está em um relacionamento amoroso. Aquela simples curtida em uma foto de outra pessoa, seja ela conhecida, famosa ou anônima, tem o poder de gerar uma briga com dimensões inestimadas. Há quem controle o ciúme e toque o barco. Mas existem aqueles que não deixam o assunto para amanhã e fazem do bendito coraçãozinho na tela do celular o motivo de término do compromisso. Afinal, as redes sociais influenciam os relacionamentos? É ou não é traição curtir a foto alheia? Se você é uma das milhares de pessoas que já passaram por isso, junte-se ao clube e continue lendo esta matéria. 

 

 

A culpa é de quem?
A estudante Camila* ficava incomodada ao ver que o namorado era um seguidor assíduo nas redes sociais de amigas em comum, que postavam fotos sensuais. “Me sentia muito insegura, por sempre ser foto daquelas meninas exibindo o corpo e eu não ser a mesma coisa. Pior é que eu ficava com raiva delas”, lembra. Ela conta que tentou, por inúmeras vezes, fazer com que o rapaz entendesse que aquela atitude a magoava. “Eu sempre falava que me incomodava. Ele chegava até parar por um tempo, mas depois voltava e até comentava na foto da menina e brigávamos de novo!”. 

 

Por situação parecida passou a universitária Mariana, que além de conviver com os ‘likes’ frequentes do namorado nas fotos da ex, ainda foi traída por ele com a moça. “Eu juntei os muitos likes que ele dava em uma pessoa que eu não gostava e acabei colocando um ponto final no relacionamento. Ele já tinha me traído com ela, então, acabei terminando”, confessa.

 

Mas, afinal, de quem é a culpa? Do ciumento que reclama exclusividade de atenção ou de quem, ainda que despretensiosamente (ou não), deixa o like em uma foto de outra pessoa? Para a psicóloga Bruna Rosa, este não é um momento para achar um culpado e, sim, de dividir a responsabilidade entre o casal. 

 

“Ao se comprometer com alguém, é importante que as regras daquele relacionamento sejam claras para ambos. Qual o limite desta relação? Se essa questão é algo que não foi conversado previamente e causou uma briga, é necessário avaliar se a atitude é um desvio dessas regras ou uma falha de comunicação”.

 

A psicóloga explica que é preciso observar o contexto do relacionamento para saber se a curtida na foto de outra pessoa é inocente ou indica algo mais, como uma traição. “Um ‘like’ pode ser apenas um sinal de que a pessoa achou a foto legal ou pode ser que queira que o outro note que ele acompanha as postagens, pode ser um interesse a mais. Geralmente, nesse último caso, a pessoa não curte apenas uma foto aleatória, mas costuma manter uma frequência de ‘likes’ e tenta fazer contato ou aproximação de outras formas, como comentários, mensagens no privado”. 

 

O limite do ‘like’ 
Há quem garanta nunca ter tido problemas com seus parceiros por causa do uso das redes sociais. Muitos alegam que mantêm seus perfis ativos justamente para encontrar um amor. Mas não há justificativa que acalente os ciumentos virtuais, já que, para eles, ver que o parceiro está interagindo com outra pessoa pode ser falta de lealdade e motivo de longas brigas desnecessárias.

 

“Que as redes sociais nos impactam, não há dúvidas, afinal, elas fazem parte das nossas vidas. Como elas impactam é muito subjetivo. Depende do tipo de relacionamento que você tem, quais são as regras, quais os limites. O importante é ser justo, honesto e respeitoso”, orienta a psicóloga. 

 

Reincidir em um comportamento diferente do que foi estabelecido entre o casal, acende um sinal de alerta para a outra parte. Na prática, se o seu parceiro segue interagindo no Instagram ou Facebook de forma que lhe desagrada, é bom repensar os rumos do relacionamento. 

 

A movimentação que o casal faz nas redes sociais, segundo Bruna, tem que ser boa para ambos. “Se está gerando sofrimento e prejudicando uma das partes, é porque não está funcionando. Então, é necessário entrar em acordo de como irão resolver essa situação”.

 

Um ciúme doentio de seu celular levou a empresária Isabela, 32 anos, a deletar amigas das redes sociais, pois sua namorada não admitia amizades que não fossem de sua aprovação. “Eu curti uma foto de uma menina que ela não gostava muito e, em seguida, recebi o ‘print’ da curtida. Todas as fotos que eu tinha curtido, em algum momento, mesmo que já fizesse tempo, foram jogadas na minha cara acompanhadas da pergunta: "Por que você está curtindo essas fotos, qual seu interesse nela?”. Esse fato disparou uma verdadeira investigação de toda e qualquer foto que eu já tivesse curtido na vida. Acho necessário avaliar o limite entre ciúmes e dominação. No meu caso, acredito que foi para além do ciúmes”, recorda.

 

O que os olhos não vêem... 
Controlar o ciúme, nestes casos, parece um tremendo desafio, mas não é impossível. O caminho ideal para administrar conflitos ainda é o diálogo. “Você não pode ter medo de discutir relação. Conversar sobre as coisas que o incomodam auxilia na manutenção do relacionamento, demonstra maturidade para reconhecer que, às vezes, você vai magoar o parceiro. Então, um bom diálogo aberto à reflexão de que é possível errar e estar disposto a entrar em acordo sobre como melhorar aquele ponto, é o melhor caminho”, orienta a psicóloga. Mas, agora que o Instagram deixou de revelar quem curtiu quem, os ciumentos vão passar longos dias com os cabelos em pé...

 

*Os nomes foram trocados para preservar os entrevistados

 

Foto: Gabriel Soares


Leia também