Notícias/Regional | 13/08/2019

São Vicente recebe novo equipamento de mamografia

Ampliar o número de atendimentos de forma ágil, inclusiva e com alta qualidade de precisão nos diagnósticos, é o que São Vicente passa a oferecer aos munícipes, a partir desta semana, com um novo e tecnológico aparelho de mamografia. A entrega do espaço para a realização do exame – uma sala equipada com toda a aparelhagem – ocorreu nesta segunda-feira (12) no Centro de Apoio e Diagnóstico II (CAD II), na Rua João Ramalho, 442 – Centro.

 

Na terça-feira (13), as portas do novo equipamento já estarão abertas para consultas.  As pacientes, que têm o direito de realizar o exame uma vez ao ano por meio da Secretaria de Saúde, devem se direcionar a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) do Município para que o médico ginecologista solicite sua mamografia no CAD II. A consulta deve ser agendada.

 

“É uma excelente notícia para os vicentinos. Mais uma vitória para a área da saúde, principalmente no combate ao Câncer de Mama”, afirma o secretário adjunto Deizo de Souza. “É um aparelho sofisticado, com imagem de alta qualidade, o que resulta em diagnósticos mais precisos e traz celeridade para o início imediato do tratamento quando o câncer for identificado, caso aconteça”, complementa.

 

Segundo o secretário adjunto, o aparelho tem a capacidade de realizar em média 800 exames por mês. Além disso, é um aparelho articulado que, por girar em 180º, possibilita que pessoas com movimentos limitados, como cadeirantes e mulheres em situação de maca, consigam fazer o exame.

 

Mario Paulino da Silva, diretor do Centro Integrado de Diagnóstico, empresa que trouxe o equipamento à Cidade, detalhou o funcionamento. “Depois que é feito o exame de mamografia em si, a imagem vem para o sistema digital. Outra máquina, junto a uma tela, processa a imagem, que aparece como em um monitor de computador”.


           
Além disso, as impressões do diagnóstico também saem na mesma sala do equipamento. “A mamografia não pode ser impressa em papel, tem de ser em filme, porque a resolução da imagem é melhor. A impressora é como se fosse uma reveladora, só que digital”. Mario ressalta que, por ser digital, o ambiente não é contaminado, o que é mais um ponto positivo ao novo equipamento.
 

 

Foto: Cássio Moraes/PMSV


Leia também