Terça-Feira, 22 de Agosto de 2017
Cultura - 22/08/2011

Escritores debatem os rumos do meio literário na Baixada Santista

A primeira edição do CineZen Literário contou com a participação de escritores renomados da região.

Foto: Rafael Ponzio


Escritores santistas ressaltaram a importância de democratizar o acesso à cultura na Baixada Santista, durante a realização do primeiro CineZen Literário, que aconteceu no sábado (20), no Ao Café. O encontro foi realizado com o intuito de abordar o meio literário na Baixada Santista, as possibilidades de publicação, as dificuldades no segmento e o que pode ser feito para melhorá-lo.

O Cine Zen Litérário contou com a presença dos escritores Cláudia Brino, Madô Martins, Márcio Callegaro, Regina Alonso, Sidney Sanctus, Valdir Alvarenga e Vieira Vivo – autores de relevante papel na fomentação cultural da região. André Azenha, jornalista a editor do CineZen, mediou o bate-papo.

Mais de 60 pessoas estiveram no evento, inclusive colegas de literatura, a exemplo de Ari Mascarenhas, da Algol Editora, que veio de São Paulo,  Carlos Gama, Maria José Goldschmidt, Marcelo Rayel Correggiari e Jaíra Presa. Mas não foram apenas profissionais da literatura que compareceram.

O CineZen Literário atraiu pessoas de vários segmentos da cultura: do teatro, o dramaturgo e diretor Roberto Massoni, o também diretor e ator Fabiano Santos; do audiovisual, os cineastas Carlos Oliveira e Madeleine Alves; das artes plásticas, Waldemar Lopes. Também compareceram a diretora da Aliança Francesa de Santos, Maria de Lourdes Beco; jornalistas, colaboradores do site (Tatiane Matheus, Marcus Morais, Rafael Ponzio) e, claro, gente interessada em curtir uma noite agradável, regada a cultura, bom papo.

“É fundamental para a democratização cultural que eventos assim aconteçam. A tendência é que, cada vez mais, encontros independentes sejam realizados em estabelecimentos como a Ao Café, cujo perfil dos empresários transcende apenas a busca por lucro. Há um conceito: a união de gastronomia com um lugar de incentivo à cultura, às artes. Como também há o Espaço Teatro Aberto, no Centro de Santos, e a Millor, no Gonzaga. A proposta do CineZen é colaborar na propagação da cultura, desse movimento”, diz André Azenha.


Apoio cultural
Sidney Sanctus destacou o bom momento literário na região. “Há muita gente escrevendo, participando, querendo mostrar o seu trabalho. Santos tem tradição em poesia”.  Porém, aponta a dificuldade do escritor em publicar, mostrar a obra. “Por isso que a maior parte dos presentes foi partir para o meio independente. É um trabalho de formiguinha, tentando sempre levar arte e poesia para as ruas. Para melhorar esse quadro, em âmbito público, tanto federal, estadual como municipal, deveria haver maior apoio. Com concursos, prêmios bons, maior espaço na mídia”.