Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Fronteiras da Ciência | 23/05/2020

O verdadeiro amor

Jadir Albino é apresentador do programa "Fronteiras da Ciência", exibido aos domingos, às 19h, na Santa Cecília TV, com reapresentação aos sábados, às 21h.

Enquanto comentamos a respeito das tantas coisas tristes que acontecem no mundo, se torna gratificante tomarmos conhecimento de atos nobres.


Um exemplo é do engenheiro civil, de apenas 28 anos, do Interior de São Paulo, que cuida de seu avô, de 95 anos.


Santino é portador de Alzheimer e há três anos ficou cego por causa do glaucoma.


O rapaz contou com a colaboração da sua mãe até dois anos atrás, quando ela morreu. Então, contratou uma cuidadora para as horas do dia, enquanto ele trabalha.


Desejando estimular outras pessoas a procederem ao acolhimento e atendimento aos seus idosos, o engenheiro Juliano costuma gravar alguns vídeos.


São cenas aparentemente normais como conversar, alimentar e fazer a barba, que ganham um ar especial na maneira como ele expressa carinho para com o avô.


Em um vídeo recente, Juliano oferece um copo de leite ao avô que registra a presença do neto, embora o considere uma criança.


Diante da problemática decorrente do Alzheimer, ele insiste para que o “netinho” tome o leite, mesmo que seja somente um pouquinho.


A tonalidade da voz de um para com o outro, a paciência são demonstrações que dizem do amor verdadeiro.
O jovem engenheiro conta que as noites são muito difíceis. 


-Noites em claro que fogem das contas, afirma.
Apesar de, em chegando da atividade profissional, precise atender o avô no banho, no corte da barba, Juliano enfrenta o segundo turno com bom humor e disposição.


Uma forma rara e especial de tratar quem vive desconectado da realidade e exige muita, muita paciência.
Nessa casa o lema é: Amar para viver e viver para amar.


[com base em fatos na vida do Juliano Furlan, no Jornal Mundo Espírita e na Redação do Momento Espírita]
O amor entre os membros da família é riqueza que podemos desfrutar na face da Terra.

 


Quando impera o amor, não importam quais sejam as condições dos que compõem a família. Ou o que necessitem.


Tudo passa a ter o sabor de boa vontade, de atenção, do prazer na convivência, e até mesmo das risadas que surgem nas horas mais difíceis.


A doença fica menos complicada, os limites se transformam em desafios, as conversas mais descontraídas.
A família é a associação terrena concedida pelo Grande Arquiteto do Universo como oportunidade para o aprendizado em ambiente seguro e protegido.


É o local onde podemos exercitar a prática do respeito, do perdão, do carinho e da compaixão, como forma de amar verdadeiramente.


Isso tudo nos leva a abrir mão de nossos interesses, para enfrentar as adversidades, quando surjam.


Sementes de amor verdadeiro desabrochando em nós, permitindo enxergar o próximo, antes de vermos a nós mesmos.


É dessa forma que o lar se constitui no porto seguro, onde o aconchego e a confiança diluem as mágoas, e tudo é tratado na linha do respeito e da compaixão.


Exige apenas a busca sincera da simplicidade e da humildade, para que se concretize o auxílio mútuo e a afeição legítima.


E o amor será sempre o conforto para as almas sofridas que se encontram unidas na sociedade chamada família.

 

PAZ, SAÚDE E PROSPERIDADE
 


Leia também

Colunistas | 16/05/2020
Colunistas | 02/05/2020
Colunistas | 25/04/2020