Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Cotidiano/Comportamento | 09/12/2017

Sem quebrar o clima de Natal!

Bárbara Camargo - Da Redação
Fotos: Imagebank

Apesar de ser um momento de confraternização em família, para muita gente, a data é sinônimo de obrigação social entediante, convivência forçada e algumas saias justas

Comida gostosa, família reunida e a esperança de um ano novo cheio de bons acontecimentos. Se por um lado existe muita expectativa de felicidade e harmonia durante a festa de Natal, por outro, a proximidade com os familiares pode gerar muitos conflitos emocionalmente desgastantes.


Quase todas as famílias têm histórias (engraçadas ou catastróficas) dos encontros de fim de ano: desentendimento entre irmãos, escândalos dos tios causados por excesso de bebida ou revelações bombásticas da prima que mora em outra cidade. Este é o momento de reencontrar gente que não se via há muito tempo e de parentes, que nunca se deram bem, jantarem juntos. 


O Natal em família em nada se parece com os que a gente vê nos filmes de Hollywood. Na vida real, para muitos, a data é sinônimo de obrigação social entediante, convivência forçada e algumas saias justas. 


Há uma explicação para tanto conflito: o final de um ano é um período de reflexão e avaliação de conquistas e frustrações. É natural que as pessoas estejam mais frágeis sentimentalmente. Emoções à flor da pele e ansiedade do encontro com familiares, muitas vezes, indesejados, podem ser a receita de uma bomba prestes a explodir ao menor sinal de discórdia durante a ceia.


Respirar fundo, beber moderadamente, exercitar a tolerância e a empatia, saber ouvir e esquivar-se de assuntos polêmicos, como política e religião, são algumas atitudes que você pode tomar para sobreviver até a meia-noite. Doutora em psicologia social pela USP, a psicóloga Gisela Monteiro dá dicas de como encarar a festa de Natal em família, colaborando com a harmonia e o espírito natalino.


Você acredita que as pessoas ficam ansiosas ou criam expectativas para este momento em família? 
Gisela Monteiro -
Sim, mesmo para os não-cristãos, é um momento de fazer o balanço do ano, de refletir sobre si e sobre os caminhos que a vida tomou.  Quem sofreu perdas ou teve um ano difícil tende a ficar mais tenso, mas diferentes sentimentos podem ser experimentados, como ansiedade ou melancolia.


Como preparar o "espírito” para a festa de Natal? Quais as dicas para quem prefere evitar a família durante o ano todo e terá que participar da reunião?
Gisela
- Vivemos numa sociedade um tanto cheia de “mimimis”. As pessoas pouco se sentem livres para comparecer em eventos que não desejam. Estar numa festa de Natal sem vontade é muito desagradável. Sugiro que, se puder escapar, escape. Diga com delicadeza e educação que não pode comparecer, agradeça muito o convite e decline. Caso isso não seja possível, tente ir de um jeito leve, sem se envolver muito com o evento e fique o mínimo necessário. Uma vez que você tenha que ir mesmo, tente comportar-se adequadamente e não interferir na festa. Se você não está bem, as pessoas que adoram celebrar o Natal não têm nada a ver com isso. Elas também têm o direito de curtir a festa.


Como fugir de assuntos polêmicos e perguntas indiscretas?
Gisela -
Assim mesmo, fugindo! Discutir assuntos polêmicos já é difícil em qualquer lugar e hora. Penso que a festa de Natal é o momento mais inapropriado para essas conversas. Não é tão complicado: saia do ambiente, puxe outro assunto ou não se manifeste. Para isso, sugiro que as pessoas bebam moderadamente, para manter o controle. 


Quais as dicas para evitar familiares indesejados durante a festa de Natal?
Gisela -
Como se diz popularmente, parente não se escolhe. Portanto, não somos obrigados a tolerar pessoas inconvenientes. Caso o familiar indesejado esteja desagradável, use a mesma estratégia, não se exponha, mude de ambiente, vá ao banheiro, converse com outras pessoas.


O celular pode ser um aliado neste momento?
Gisela -
Pra fugir através do celular, só se você simular uma conversa com alguém. Se estiver usando o aparelho sozinho, poderá ser interrompido e solicitado a participar da conversa. Acho que as outras saídas são melhores. Até porque, ficar em uma festa usando o celular o tempo todo é mal educado. Aí seria melhor nem ter ido. 


Como tornar o clima mais agradável? Abrir álbum de fotos ou fazer brincadeiras do tipo ‘amigo secreto’ ajudam?
Gisela
- Álbuns de fotos podem ser aliados ou vilões, tanto quanto os celulares. Em tempos de redes sociais, que só mostram o lado A da vida, fotos antigas podem causar grandes constrangimentos. Brincadeiras leves eventualmente ajudam sim, desde que não fiquem obrigando as pessoas presentes a participarem. 


Dicas simples para desfrutar o Natal em família
Mantenha atitude positiva -  Antes da festa, convença-se que vai ser uma experiência positiva. Se você já sabe que vai encontrar familiares que sempre fazem mesmas perguntas ou piadas, prepare as respostas com antecedência. 


Divirta-se - A pior coisa que se pode fazer em Natal em família é ficar isolado ou rabugento. A festa não vai passar mais depressa por isso. Então, aproveite para se divertir! Coloque a conversa em dia com os familiares que não vê há muito tempo, brinque com as crianças, tire fotografias.


Seja solidário -  O anfitrião vai adorar um pouco de ajuda: seja levar comida para a mesa, servir os alimentos e bebidas, lavar louça, comandar a música. Assim, você se mantém ocupado e colabora com a ceia.


Faça uma pausa - Mesmo nas famílias mais unidas e divertidas, pode chegar o momento em que você terá que se livrar de alguma confusão ou discussão. Vá até à varanda, ao banheiro ou cômodo da casa que esteja vazio e aproveite o silêncio.


Tenha gratidão - Ao longo da noite, reserve um minuto para observar o que se passa à sua volta. Olhe as crianças brincando com os presentes novos, ouça as histórias antigas de sua avó, reflita sobre tudo o que tem bom na vida e seja grato.
 


Leia também