Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Cotidiano/Tecnologia | 15/03/2019

Esportes virtuais atraem audiência na televisão

O crescimento dos esportes virtuais é algo que podemos ver claramente ao longo dos últimos anos. O que não passava de um passatempo para os adolescentes hoje é uma indústria bilionária que conta com grandes patrocinadores, atletas de alto nível e uma audiência considerável. E é exatamente por isso que grandes emissoras estão cada vez mais ligadas no ramo.


Considerando, por exemplo, o popular League of Legends, os números mostram que a última final mundial teve uma audiência de 200 milhões de telespectadores. Claro este número foi muito inflacionado pelos chineses, que tinham uma equipe na final.


Mas mesmo localmente, considerando o campeonato brasileiro, por exemplo, a final do CBLOL em 2017 teve uma audiência de 2,6 milhões de pessoas. Como parâmetro de comparação, a última final de Libertadores teve uma audiência nacional de aproximadamente 5 milhões de pessoas.


Claro, a comparação tem que ser vista com cautela, visto que era possível assistir a final do CBLOL gratuitamente através de streaming online, em cinemas ao redor do país ou pela TV, através do SporTV. Enquanto isso a final da Libertadores deste ano não contava com nenhum clube brasileiro e só quem tinha TV a cabo teve o privilégio de assistir.


Mas ainda assim, com a devida cautela, podemos afirmar que: a final brasileira do campeonato de um “jogo de videogame” teve cerca de metade da audiência de um dos campeonatos mais populares de futebol em pleno solo brasileiro. Quando esta informação chega na mesa de um executivo responsável por administrar uma emissora, pode ter certeza, ele vai querer entrar neste meio.


E não são só as emissoras de TV que estão buscando entrar no mercado, marcas como Nike e Adidas já patrocinam vários clubes. Os sites de aposta também estão de olho e já disponibilizam a opção de apostar em vários torneios de eSports. Algumas modalidades de apostas são bem inovadoras, o site Bet90 conta com a opção de apostas ao vivo, por exemplo. Tudo isso com a intenção de atrair este público que está em franco crescimento. 


Brasil é um dos maiores mercados de eSports


League of Legends é um jogo popular, mas é apenas um exemplo entre vários outros jogos como CS:GO, StarCraft II, Fortnite, Overwatch, Rainbow Six, entre outros. E, no geral, nosso país conta com cerca de 18,3 milhões de pessoas que assistem campeonatos de eSports regularmente.


Todo este público nos coloca em uma posição alta no mercado de games: somos, atualmente, o terceiro maior país do mundo em termos de audiência, atrás apenas dos Estados Unidos e da China.


E, em termos econômicos, nosso país também está bem fortalecido e a expectativa é que ele cresça ainda mais. No momento o setor gira mais de 21 milhões de dólares anualmente. A expectativa é que o valor praticamente dobre até 2021, quando o mesmo chegará à US$ 40 milhões.

 

Principais canais de TV brasileiros já apostam no setor


O trio de canais pagos esportivo brasileiro composto pela SportTV, ESPN e Esporte Interativo já contam com programas voltados ao público gamer. O SporTV, por exemplo, transmite o CBLOL e vários outros campeonatos de League of Legends há mais de dois anos.


O Esporte Interativo já transmitiu na TV campeonatos de CS:GO e a ESPN investe pesado no marketing e divulgação dos eventos que a rede transmite online. E falando em transmissão online, é importante notar que este é o meio mais comumente utilizado pelos fãs de eSports.


A TwitchTV é uma das líderes no setor e é uma das apostas mais certeiras da Amazon, que comprou a mesma ainda em 2014. Mas o YouTube não fica muito atrás e a possibilidade de pausa na transmissão dos eventos é apontada como principal diferencial quando comparado com o Twitch.


O SporTV também costuma transmitir os jogos no seu próprio site e, enquanto isso as outras emissoras esportivas também investem na criação de canais no YouTube, Twitch e até mesmo no Facebook. Tudo com o objetivo de conseguir uma parte desta audiência em constante crescimento.
 


Leia também