Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Vida em Dia | 02/05/2020

Especialistas tiram dúvidas sobre o novo coronavírus

Jornalista

Muita gente ainda está com dúvidas sobre o novo coronavírus. Especialistas respondem as mais comuns:

Qual teste eu faço?
O teste rápido indica a presença ou não do anticorpo produzido pelo organismo e identifica se a pessoa já teve o novo coronavírus e se curou. Já, segundo o infectologista Marcos Caseiro, quem está com os sintomas, ou seja, com o quadro agudo da doença, deve fazer o teste swab, que identifica que o paciente entrou recentemete em contato com o vírus e está doente. Mas é importante saber que um teste complementa o outro. Resumindo: o teste rápido, feito com amostra de sangue, identifica que a pessoas já teve contato com o vírus e está recuperada. O swab, que tem precisão mais alta e é feito com uma haste de fibra de plástico que absorve secreções do nariz e da garganta, é capaz de saber se o paciente está com a doença ativa e, portanto, é um transmissor do Covid-19.

 

O que é imunidade de rebanho? 
Segundo a médica Ana Escobar, da USP, a imunidade de rebanho permite que todos saiam para a rua com o objetivo de entrar em contato com o vírus e adquirir imunidade. "No entanto, se isso acontecer, muitas pessoas contaminadas vão ficar em estado grave necessitando de atendimento hospitalar e internação. Com essa sobrecarga no atendimento, alguns podem morrer por falta de vagas nas unidades de terapia intensiva. 

 

Como deve ser feita a reabertura da sociedade? 
A médica Ana Escobar ressalta que as pessoas devem voltar de forma lenta e gradativa. "Temos que ir devagarinho, reabrindo aos poucos, e sempre com uso de máscara, higienizando constantemente as mãos e evitando aglomerações". Conforme a especialista, o turismo também deve ser restrito. "Até que a gente chegue a aproximadamente 80% de pessoas imunizadas é importante ter muita cautela para que todas tenham acesso ao tratamento adequado. Todos têm direito à vida! Por isso, quem puder, fique em casa por enquanto. A chamada "vida normal" não vai voltar tão cedo. É preciso paciência para que tudo termine da forma menos sofrida possível". Em Santos, por exemplo, já estamos com mais de 50% dos leitos de UTIs ocupados. O infectologista Marcos Caseiro reforça a nacessidade de isolamento social porque o novo coronavírus é altamente contagioso!

 

 

 

 

Foto: Fiocruz

 


Leia também