Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Blog do Carpentieri | 12/06/2020

Pequenos gestos que fazem a diferença

Diretor de Redação do Jornal da Orla

Enquanto o prefeito segue o que manda a ciência, presidente da mau exemplo.

A pandemia tem sido a maior tragédia mundial desde a Segunda Grande Guerra.

 

Milhares de pessoas estão morrendo e milhões já estão ou ficarão desempregadas.

 

É um sofrimento coletivo que destroça corações e mentes.

 

Nestes momentos difíceis, de pesadelo que parece não ter fim, as lideranças fazem a diferença - para o bem e para o mal.

 

Felizmente para os santistas, o prefeito Paulo Alexandre Barbosa, adotou algumas medidas importantes para preservar vidas e tentar minimizar danos e o sofrimento das pessoas, especialmente dos mais pobres.

 

O prefeito reduziu seu próprio salário e também o salário de seus secretários - medida simbólica, mas que passa um importante recado para a sociedade -, garantiu testes em massa para os moradores e seguiu as orientações de médicos e especialistas no combate à Covid-19.

 

Do ponto de vista humanitário, a medida que mais me sensibilizou foi a de abrir as portas do restaurante popular, o tradicional Bom Prato, todas as noites e aos domingos.

 

Para quem não sabe, o Bom Prato serve café da manhã e almoço aos mais carentes, que pagam o valor simbólico de R$ 1,00 por refeição.

 

Quando o caldo da pandemia entornou, Paulo Alexandre teve a feliz ideia de abrir o Bom Prato nos finais de semana e, também, à noite, para o jantar.

 

A pandemia tem sido dura para todo mundo, mas é muito mais dura e cruel para quem passa fome.

 

Abençoado, pois, seja o prefeito e todas as pessoas que pensam nos deserdados e a eles oferecem um prato de comida, um agasalho, um item de higiene ou uma simples palavra de conforto.

 

Estou convencido de que a vida é feita de exemplos.

 

 A maioria das pessoas que pratica a solidariedade recebeu o exemplo de seus pais.

 

Acho que Paulo Alexandre está entre elas.

 

Seu pai, Paulo Barbosa, foi um garoto pobre que cresceu no Morro do Pacheco, onde começou como engraxate.

 

O velho Paulo Barbosa nunca esqueceu suas origens e tinha um bom coração.

 

Você, caro leitor, pode até não gostar do prefeito Paulo Alexandre, discordar da forma como ele administra a cidade, mas estará sendo injusto se não reconhecer que ele tem procurado fazer o melhor pelos santistas, em especial pelos que mais precisam.

 

Nesta hora difícil, a comida do Bom Prato, faz a diferença, é uma benção para quem não tem o que comer.

 

Se em Santos o Poder Público faz o que dele se espera, o que podemos esperar de Brasília?

 

Não muito.

 

Exemplos, outra vez.

 

O presidente Jair Bolsonaro acha que já foi contaminado pela Covid-19.

 

Ele acredita que foi infectado na viagem de volta dos EUA.

 

Ainda assim, saiu para a rua, abraçou pessoas, pegou criancinha no colo, sem usar sequer uma máscara.

 

Que tipo de homem é esse?

 

Que exemplo o presidente da República oferece a seus compatriotas?

 

Não é surpresa para ninguém, portanto, que Bolsonaro revele desdém pelos mortos e queira esconder do mundo o número real de infectados e, também, o de vítimas fatais.

 

Bolsonaro parece acreditar que pode matar o vírus com bala de fuzil.

 

Por isso colocou 30 militares no Ministério da Saúde, comandados por um general, no lugar de técnicos.

 

Não poderia dar certo.

 

O resultado está aí: o Brasil já responde por 10% do número de infectados de todo o planeta.

 

Diante do horror instalado, que cada um faça sua parte e possa oferecer ao próximo o que tem de melhor no seu coração.

 

É nossa única saída.

 

 


Leia também