Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Mentalmente Leve | 12/06/2020

De repente nada

Psicóloga clínica, especialista em análise do inconsciente, pós-graduanda em neuropsicologia, analista corporal, formação master em programação neurolinguística e membro Access Consciousness.

Preste atenção no seu momento atual, pode parecer seguro, mas a vida está passando.

De repente, você completa 30 e poucos anos. De repente, você acorda em um quarto que é seu, mas você não se sente em casa. De repente, você olha pro lado e nada faz sentido. A sensação é de vazio, neutralidade, apatia. Você está ali e somente isso.


É, não é nada fácil lidar com essa situação. E o melhor a se fazer é tentar impedir qualquer evento semelhante. Afinal, esse tipo de coisa não acontece de repente. Acontece dia após dia, somando semanas, meses, anos em que você se omite repetidamente perante suas próprias vontades, culpando o chefe, o salário, a religião, o vínculo familiar, o motorista do ônibus, o gerente do banco, o peixe do vizinho ou a extinção do leopardo.


Muitas vezes, você não é o responsável direto por um acontecimento desagradável, porém é sua inteira responsabilidade decidir como vai se sentir em relação a isto e, principalmente, como vai agir para se sobrepor. Sempre será uma escolha sua, assumir o controle das suas emoções e, consequentemente, da sua vida.


Você pode ficar triste. Você pode chorar. Você pode sentir raiva. Você pode gritar no travesseiro, espancar um saco de areia ou praticar um esporte para baixar sua adrenalina. Você pode ficar muito feliz e comemorar sua felicidade com seus amigos. Você pode sentir medo e se esconder por um tempo. Você tem essas emoções dentro de ti, elas vem à tona e você deve experienciá-las; contudo, independente do que estiver sentindo, sua reação jamais pode prejudicar outra pessoa e muito menos a você. Emoções funcionam como uma válvula de escape para que suas tensões se dispersem. Receba-as, compreenda-as e decida, deixar que se vão ou mergulhar nelas.


Você se torna aquilo que faz com aquilo que te fazem. Quem você quer ser?


Não se iluda com uma zona de conforto que te oprime, que te prende e te sufoca. Leia novamente: não se iluda com uma zona de conforto que te oprime, que te prende e te sufoca. Preste atenção no seu momento atual, pode parecer seguro, todavia, a vida está passando e o relógio não deixará de correr, posicione-se ou de repente será tarde demais.
 


Leia também

Colunistas | 31/07/2020
Colunistas | 13/07/2020
Colunistas | 02/07/2020