Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Significados do Judaísmo | 16/06/2020

Anne Frank e o isolamento

Mendy Tal - Cientista Político

Diário da jovem judia, que entrou para a história, nos dá força em tempo de pandemia.

Em tempos de isolamento social, nós, em nossas belas casas, sentimos falta do contato humano presencial, seja dos filhos, netos ou amigos.

 

Sentimos falta de andar descontraidamente ao ar livre, podendo decidir onde ir e vir.

 

Certamente, nos preocupamos e ficamos tristes por todas as pessoas que não têm condições de ficar em casa por conta de suas obrigações profissionais de extrema necessidade.

 

Como paliativo, podemos pensar em Anne Frank, que estaria fazendo 91 anos neste 12 de junho.
Longe de mim querer comparar o momento atual com o drama infinito de Anne Frank e de milhares de outros judeus presos entre quatro paredes, para se esconder das bestas nazistas, mas o aniversário de uma das mais conhecidas adolescentes destes últimos séculos nos dá uma sensação de proporção e realidade em relação ao que estamos passando. Nada, nada se compara à sua tragédia.


 Mas, seguramente, ao lembrar a narrativa de Anne Frank, podemos todos dar um significado mais humilde em relação aos nossos transtornos atuais.


 
 Annelies Marie, "Anne," Frank (nasceu em 12 de junho de 1929 e faleceu por volta de fevereiro ou março de 1945) era uma adolescente alemã-holandesa de origem judaica. Uma das vítimas judias mais discutidas do Holocausto, ela ganhou fama postumamente com a publicação de O Diário de uma Jovem, no qual ela documenta sua vida escondida de 1942 a 1944, durante a ocupação alemã da Holanda na Segunda Guerra Mundial. É um dos livros mais conhecidos do mundo e tem sido a base de várias peças e filmes.


 
Nascida em Frankfurt, na Alemanha, Anne viveu a maior parte de sua vida em Amsterdã ou perto de Amsterdã, na Holanda, tendo se mudado para lá com a família aos quatro anos e meio de idade, quando os nazistas ganharam o controle sobre a Alemanha.


 
Nascida na Alemanha, perdeu a cidadania em 1941 por ser judia e, portanto, tornou-se apátrida. Em maio de 1940, os Frank ficaram encurralados na Holanda durante ocupação alemã do país. À medida que as perseguições à população judaica aumentavam em julho de 1942, a família de Anne se escondeu em algumas salas escondidas atrás de uma estante de livros no prédio onde o pai de Anne, Otto Frank, trabalhava. 


 
Com a ferrenha caça aos judeus que viviam em Amsterdã, em 6 de julho de 1942, a família Frank se mudou para seu esconderijo, este esconderijo ficou conhecido como Achterhuis (traduzido como "Anexo Secreto"). 


 
Desde então, até a prisão da família pela Gestapo, em agosto de 1944, ela manteve um diário que recebera como presente de aniversário e escrevia regularmente. Após a prisão, os Frank foram transportados para campos de concentração. Em outubro ou novembro de 1944, Anne e sua irmã, Margot, foram transferidas de Auschwitz para o campo de concentração de Bergen-Belsen, onde morreram (provavelmente de tifo) alguns meses depois.


 
Além de fornecer uma narrativa dos eventos ocorridos, Anne escreveu em seu diário sobre seus sentimentos, crenças, sonhos e ambições, assuntos que achava que não podia discutir com ninguém. À medida que sua confiança em seus escritos aumentava, e quando ela começou a amadurecer, ela escreveu sobre assuntos mais abstratos, como sua crença em Deus e como ela definia a natureza humana. 


 
Otto, seu pai, o único sobrevivente da família, retornou a Amsterdã após a guerra para descobrir que o diário dela havia sido salvo por seu secretário, Miep Gies, e seus esforços levaram à sua publicação em 1947. Foi traduzido de sua versão original em holandês e primeiro publicado em inglês em 1952 como O Diário de uma Jovem, e desde então foi traduzido para mais de 70 idiomas. 


 
Seu jornal é texto de estudo em incontáveis escolas pelo mundo.


 
Em 1999, a revista Time nomeou Anne Frank entre os heróis e ícones do século XX em sua lista As Pessoas Mais Importantes do Século, afirmando: "Com um diário mantido em um sótão secreto, ela enfrentou os nazistas e deu uma voz ardente à luta pela dignidade humana ". 


 
Hoje, sua casa em Amsterdã tornou-se um museu visitado por gente do mundo todo.


 
Em tempos de crise, como a pandemia do COVID-19, a humanidade se une - contra alguma coisa. À medida que o populismo cresce na Europa e em todo mundo e os discursos racistas e xenófobos (e ações e políticas) se transformam de tabu em lugar-comum, o drama que se estabelece e o de humano contra humano. 


 
Tem que haver um meio termo entre lembrar-se de nosso privilégio e liberdade quando movido em tempos de desconforto ou crise, como ficar chateado por não podermos sair e chegar inconscientemente ao ponto em que privamos completamente a liberdade dos outros, como eliminar o “outro” graças a diferenciais de potência arraigados e arbitrários. 


 
Hoje, quando estamos isolados socialmente e nos acerbamos nos canais virtuais, é imprescindível lembrar uma das famosas citações de Anne Frank:


 
“Acho estranho que os adultos discutam com tanta facilidade e frequência e sobre assuntos tão mesquinhos. Até agora, eu sempre pensei que brigar era apenas algo que as crianças faziam e que elas superavam isso. ”
 

 

Mendy Tal
Cientista Político e Ativista Comunitário


Leia também