Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Mundo Pet | 20/06/2020

Quarentena x ansiedade em pets

É repórter do Jornal da Orla e "mãe" de dois cães, a Lola e o Paluza

Foto: Freepik

O que fazer para que a rotina deles tenha menos impactos com as mudanças? 

Os efeitos da pandemia afetam os seres humanos de diversas formas e também pode causar nos animais sensações muito semelhantes às que sentimos nesse momento difícil. Os pets não entendem essa mudança na rotina e podem desenvolver quadros de ansiedade e depressão.  


 
“Falta de apetite, prostração, isolamento, perda de peso, recusa em brincar com tutores ou outros pets e agressividade repentina são apenas alguns dos sintomas de que algo não está bem. Em casos mais graves, alguns pets podem se lamber excessivamente, apresentar coceiras sem motivos e realizar automutilação em extremidades do corpo, especialmente a cauda e as patas”, explica a veterinária Luana Sartori.


 
O cachorro que fazia as suas necessidades na rua, por exemplo, precisa se adaptar para fazer no jornal, dentro de casa. Além disso, o tutor que tinha horário para sair e voltar, agora passa todo tempo por perto. O que fazer para que a rotina deles pets sofra menos impactos com as mudanças? 


 
Luana indica que a energia desses animais seja gasta de outra forma. “Os pets que vivem em apartamento sofrem mais com o isolamento. O tutor pode montar circuitos com petiscos dentro de casa para que o cão corra, caminhe e se exercite”, indica.


 
Carinho em tempo integral é necessário?
 

A presença constante do tutor dentro de casa também pode causar estranheza ao pet, que estava acostumado a esperar o dono chegar do trabalho. Se algumas ações não forem tomadas, o retorno às atividades normais pós-pandemia pode ficar ainda mais difícil. 


 
“Precisamos ter em mente que a quarentena vai acabar um dia e tudo voltará ao normal. As pessoas vão sair para trabalhar, passear, viajar e precisam entender que cães e gatos podem sofrer com a síndrome da separação. Dê um espaço para o animal, deixe-o de lado por algum tempo do dia. Isso vai evitar que o sofrimento seja maior a longo prazo”, conta.


 
Quando a quarentena acabar, para minimizar os efeitos da sua ausência, o ideal é criar um espaço confortável para o pet, apostando no enriquecimento ambiental adequado. “Deixe roupas suas no ambiente, pois seu cheiro ajuda a tranquilizar o animal. Brinquedos que liberam petiscos promovem mais interação do pet e, claro, menos ociosidade”, revela. 


Leia também