Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Mentalmente Leve | 31/07/2020

Não espere acabar para perceber

Psicóloga clínica, especialista em análise do inconsciente, pós-graduanda em neuropsicologia, analista corporal, formação master em programação neurolinguística e membro Access Consciousness.

Foto: Freepik

Acredite, pessoas não mudam de essência. Elas podem, talvez, amadurecer.

A vida seria muito mais fácil se todos desenvolvessem a habilidade de identificar padrões de comportamento. Em uma época em que há mais pessimismo que otimismo; românticos e carentes ainda acreditam que as pessoas podem mudar para melhor, o que é bastante contraditório.

 

Se você escolher uma pessoa que conhece há alguns anos, dissociar seu vínculo e analisar seu comportamento, verás atitudes e conceitos que este alguém repete em inúmeras situações.

 

É que quase ninguém tem paciência para fazer isso pois o próprio umbigo é mais interessante. Mas o interesse muda quando há uma separação, um término, um divórcio.


Muita gente só percebe esse padrão após o rompimento de uma relação. Pois a dor do espaço desocupado faz com que relembrem fatos quase que em ordem cronológica, notando que sempre houve indícios nítidos de repetição da identidade. 

 

Sabendo disso, por que não praticar a percepção antecipada e evitar decepções? Se dê tempo para conhecer uma pessoa, de fato, e assim salve tempo e energia. Antes de abrir seu coração e esparramar suas doçuras, abra os olhos e ouvidos, note as atitudes e pensamentos alheios, raciocine a respeito e defina se a longo prazo isso te agradará ou te será suportável.

 


Acredite, pessoas não mudam de essência. Elas podem, talvez, amadurecer. Contudo, não romantize demais esperando que alguém amadureça, pois há uma enorme chance de que apenas apodreça.
 


Leia também

Colunistas | 13/07/2020
Colunistas | 02/07/2020
Colunistas | 12/06/2020