Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Significados do Judaísmo | 19/08/2020

Meditação Judaica - Desde os Tempos Antigos

Mendy Tal - Cientista Político

A meditação pode ser como uma poderosa lente fotográfica, que nos aproxima do que antes parecia distante.

Quando pensamos em meditação nas civilizações ocidentais modernas, imagens de mulheres e homens com as pernas cruzadas e os olhos fechados percorrem nossa mente.


 
Embora a prática tenha raízes na tradição budista, o judaísmo também mantém esses costumes profundamente, conforme está escrito nas escrituras e também em comentários filosóficos.


 
Estudos mostram que a prática do budismo e da meditação budista no Ocidente ganhou seguidores significativos de indivíduos de origem judaica desde 1960. 


 
“Também há evidências de que durante o período em que a Bíblia foi escrita (até aproximadamente 400 a.e.c), a meditação era praticada por uma grande porção do povo israelita”, escreve Aryeh Kaplan em “Meditação Judaica: Um Guia Prático”. 


 
O Talmud e o Midrash afirmam que mais de um milhão de pessoas estavam envolvidas em tais disciplinas de meditação e atenção plena.


 
A meditação judaica típica parece estar longe de ser relaxante.


 
Uma compreensão mais profunda do termo meditação abre caminho para a discussão sobre as práticas místicas judaicas. 


 
Devemos reconhecer que existem, em termos gerais, duas formas diferentes de pensar. O primeiro é o pensamento racional normal, cotidiano - pensar sobre coisas que você tem que fazer, ou sobre ideias, ou sobre as pessoas ao seu redor. O segundo é, em comparação, menos lógico e menos orientado para objetivos diários imediatos. Este segundo é um tipo de pensamento mais penetrante.


 
Envolve o deslocamento do centro de gravidade da mente para longe do senso de 'eu' que normalmente domina nossos objetivos. Como todas as práticas meditativas, as técnicas místicas judaicas são direcionadas para o aprimoramento dessa segunda forma de pensamento. Ao mesmo tempo, essas práticas cultivam a consciência da presença divina em todas as coisas.


 
A meditação é um ingrediente essencial de nossa religião e a base de toda observância. 


 
A meditação judaica repousa em três reinados: meditação mantra, contemplação e nada. Cada um possui um valor diferente e aprofunda a conexão entre o fiel e Deus, de uma forma única.


 
Ao recitarmos o Shemá, dizemos:
 
“Ouve, ó Israel, o Senhor é nosso Deus, o Senhor é Um”, 
duas vezes por dia, de manhã e à noite. Essas declarações profundas de crença não podem ser simplesmente recitadas mecanicamente; ao contrário, elas devem ser acompanhadas por uma contemplação profunda, como um mantra. O objetivo desta meditação é despertar as emoções do amor e do temor a Deus, o que permite que se apreenda a profundidade das afirmações citadas.
 


A meditação mantra era usada pelos profetas por meio de cânticos para obter um relacionamento mais próximo com Deus. As escolas também eram extremamente devotadas a essas disciplinas e aderências fiéis, e as escolas judaicas de meditação existiam para exigir um extenso trabalho por meio da Torá e do amplo esquema da religião judaica em geral. 


 
Mas as práticas tiveram que mudar depois que a Diáspora ocorreu. Depois de longa discussão e contemplação, foi decidido pela liderança judaica, ou a Grande Assembleia, que uma disciplina de meditação para a população geral era necessária. Assim, o que agora é conhecido como Amidá, uma oração “permanente” de 18 seções que é repetida silenciosamente, foi formada. É mais uma forma de mantra.


 
Contemplação, ou concentração, é a segunda forma de meditação judaica. A palavra mais comum na literatura judaica para meditação é kavanah, que se traduz como "concentração", "sentimento" ou "devoção". Kavanah pode ser usada para encontrar uma compreensão interior, uma razão verdadeira e mais profunda para uma prática meditativa em geral.


Essa “auto compreensão”, ou hitbonenuth, foi falada pelo grande filósofo judeu Moses Maimonides, que acreditava que a solidão e a autoconsciência poderiam nos aproximar de Deus e estender nossas próprias reflexões. A meditação hitbonenuth pode ser focada em qualquer coisa, desde uma ideia até uma pedra. O assunto em questão deve preencher a mente completamente e deve ser usado para encontrar uma compreensão mais profunda e completa de si mesmo.
 


Por último, a prática de meditar no nada também é encontrada nas tradições judaicas. Hitbodeduth, que significa literalmente "auto isolamento. ”


 
Ao longo dos séculos, práticas de meditação foram desenvolvidas em muitos movimentos, incluindo entre Maimonidianos (Moses Maimonides e Abraham Maimonides), Cabalistas (Abraham Abulafia, Isaac the Blind, Azriel de Gerona, Moses Cordovero, Yosef Karo e Isaac Luria), Rabinos chassídicos ( Baal Shem Tov, Schneur Zalman de Liadi e Nachman de Breslov), rabinos do movimento Musar (Israel Salanter e Simcha Zissel Ziv), rabinos do movimento conservador (Alan Lew), rabinos do movimento reformista (Lawrence Kushner e Rami Shapiro) e rabinos do movimento reconstrucionista (Shefa Gold).


 
As práticas místicas judaicas nos permitem usar o pensamento para "descer até o fim do mundo", isto é, sondar as profundezas onde a mente e a realidade física não estão mais separadas.


 
Dentro da estrutura geral do Judaísmo, as práticas meditativas têm como objetivo aprofundar o envolvimento do indivíduo com todos os aspectos da religião. A meditação e as técnicas de concentração podem aumentar a compreensão da Torá, desenvolver uma compreensão do ritual e outras observâncias religiosas, dar direção à oração e aumentar a consciência das necessidades dos outros.


 
A meditação pode ser como uma poderosa lente fotográfica que nos aproxima do que antes parecia distante e incognoscível; da mesma forma, pode funcionar como uma lente grande angular que nos dá a perspectiva de ver as conexões cósmicas em nosso universo.
 


Leia também