Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Significados do Judaísmo | 25/09/2020

A Relevância do Jejum de Iom Kippur

Mendy Tal - Cientista Político

Há seis dias regulares de jejum no ano judaico.

Há seis dias regulares de jejum no ano judaico. Durante esses tempos, os judeus adultos não podem comer nem beber - até mesmo água (há exceções para pessoas com problemas de saúde).


 
Exceto por Yom Kippur, esses dias de jejum foram estabelecidos por causa das catástrofes e do sofrimento que ocorreram nas datas correspondentes.


 
O jejum do Yom Kippur é um dos rituais judaicos mais amplamente observados, mesmo entre aqueles que não vão regularmente à sinagoga.


 
Kippur é um dia separado pela Torá para nós “praticarmos a abnegação” (Levítico 23:27). A “abnegação” que parece ser mais expressiva do Yom Kippur é o jejum, abstendo-se de comida e bebida o dia todo.


 
O jejum é uma oportunidade para cada um de nós observar Yom Kippur da maneira mais pessoal. É um dia de intensa auto busca e comunicação sincera com o Todo-Poderoso. Essa busca requer uma calma interna que deriva da desaceleração de nosso ritmo biológico. 


 
O jejum no Yom Kippur fornece a chave para o nosso despertar interior.


 
Em Yom Kippur, buscamos a reconciliação com Deus e com a humanidade. O arrependimento (teshuvá) envolve uma auto avaliação crítica do ano anterior e a resolução de evitar lapsos de sensibilidade no futuro. 


 
Teshuvá requer disciplina. Nosso jejum no Yom Kippur demonstra nossa disposição de nos submetermos à disciplina. 


 
Como podemos expiar nossos excessos para com os outros, a menos que possamos conter o apetite que depende de ninguém além de nós mesmos?


 
Estabelecer limites para nossa própria conduta neste assunto muito particular é iniciar o caminho para controlar nosso comportamento público.


 
O jejum de Yom Kippur vai além de nosso despertar espiritual interior e disciplina em nosso comportamento ético. 


 
Na Haftará [leitura profética] do profeta Isaías, que lemos na manhã do Yom Kippur, nos fornece o objetivo final do nosso jejum - desbloquear os grilhões da injustiça, desfazer os grilhões da escravidão, deixar os oprimidos irem em liberdade, compartilhar pão com os famintos (Isaías 58: 1-14).


 
Entretanto, os sentimentos espirituais são geralmente muito sutis; frequentemente temos que fazer algum esforço para reconhecê-los.


 
A Halachá (lei judaica) nos ajuda nesse processo. Ao especificar comportamentos particulares e ditar quando eles devem ser realizados, a halachá fornece sensações físicas que apontam para realidades espirituais. 


 
Sentir fome em um nível físico nos ajuda a acessar o conceito de desejo e necessidade em um nível espiritual. 


 
Exigir o jejum em dias que exigem arrependimento nos ajuda a ativar o desejo que temos de trilhar um caminho que conduz a um mundo retificado.


 
A fome pode promover nosso arrependimento quando bem empregada, e não ignorada.


 
O jejum pode causar uma forte sensação de limpeza ou até mesmo catarse. 


 
Em um nível físico, isso pode ser uma função de eliminar o lixo de alimentos industrializados ou um ambiente contemporâneo rico em produtos químicos. 
 


Em um nível emocional, talvez seja sobre limpar a sujeira acumulada de emoções ignoradas e obter algum insight (muitas vezes doloroso) sobre o que está por baixo.


 
Também, o jejum torna a reflexão espiritual e a meditação mais fáceis. 


 
Muitas vezes, sem o alimento, a dinâmica do pensamento diminui e torna-se bastante satisfatório apenas "estar aqui agora".


 
Em um estado concentrado, a mente pode visitar territórios que estão além do nosso alcance.


 
Em Yom Kippur em particular, esses efeitos do jejum são intensificados pela comunidade e pelo conhecimento de que centenas de milhares de pessoas estão fazendo esse trabalho interno ao mesmo tempo que nós.


 
Se fizermos uma prática espiritual só quando temos vontade, isso é realmente uma disciplina espiritual? 


 
O jejum de Kippur acontece quer você queira ou não. Leva a religião além do ego.


 
Dias marcados para o jejum podem levar a lugares que são fantasticamente bonitos: é possível se tornar, embora temporariamente, mais amoroso, mais receptivo e mais grato, simplesmente mudando a bioquímica do corpo por um dia. 


 
Entretanto, como Isaías disse, jejuar sem coração não é garantia de piedade. Mas, com intenção e atenção, pode levar exatamente à compaixão que o profeta e o mundo exigem.
 


Leia também