Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Notícias/Esportes | 24/10/2020

Aniversário de 80 anos de Pelé é um presente para todos!

EDISON CARPENTIERI
Isabela Carrari/PMS

Na sexta-feira (23), Pelé foi lembrado e homenageado em todo o planeta.

Ele encantou o mundo com um talento inigualável. Influenciou gerações. Ao fazer o milésimo gol chorou e pediu pelas crianças. Sua marca será eterna e é simplesmente impossível mensurar o que Edson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé, deixou registrado em corações e mentes de milhões de admiradores por todo o planeta.


Não por acaso, Pelé foi recebido por reis, rainhas, presidentes e personalidades. Apesar dos holofotes e do glamour, jamais perdeu a humildade – nunca deixou de atender, com elegância e educação, jornalistas e fãs que o procuravam.


Ao completar 80 anos nesta sexta-feira (23) Pelé foi lembrado e homenageado em todo o planeta.


Na área esportiva, os feitos de Pelé são extraordinários: marcou inacreditáveis 1.282 gols, dos quais 1.091 pelo Santos, clube que deve a ele o seu prestígio mundial. O Rei também marcou presença na TV, cinema – em um dos filmes, Fuga para a Vitória, produzido em 1982, contracena com Sylvester Stallone – e na música.


Tricampeão mundial com a seleção brasileira – vestiu pela primeira vez a camisa verde e amarela antes de completar 17 anos, em 1957 -, Pelé marcou 58 gols pelo Santos no campeonato paulista de 1958, um recorde até hoje.


Pelé jogou no Santos de 1956 a 1974; em 1975 se transferiu para o New York Cosmos, onde jogou até 1977. Pelé levou os americanos, que não eram muito fãs de futebol, à loucura.


Num jogo contra o time do português Eusébio, Pelé chegou ao estádio, em Nova Iorque, de limusine. Amigo de Pelé e seu agente de turismo à época, José Carlos Fonseca Lopes, que acompanhava o Rei, relembra: “Foi um momento mágico. Milhares de americanos, com bandeirinhas, gritando o nome de Pelé. Foi maravilhoso, inesquecível. Acho que nem o Pelé espera uma festa daquela”.


Em 1.980 foi eleito o Atleta do Século pelo jornal francês L’ Equipe, numa votação realizada por 20 jornalistas dos mais importantes veículos de comunicação de esportes do mundo, superando os lendários Jesse Owens, Muhammad Ali e Ray Sugar Robinson, entre outros.


Diz a lenda que Pelé, jogando pelo Santos, parou uma guerra na África, mas há historiadores questionando esse fato, ocorrido na Nigéria, em 1969. Naquela época, o governo local perseguia biafrenses em meio a um violento conflito armado. E houve um cessar-fogo decretado para que todos pudessem ver o rei do futebol.


Se foi propaganda ou não a favor do governo, pouco importa. O fato é que o cessar-fogo ocorreu e que mortes foram evitadas, durante dois dias, para que a população local pudesse ver o maior jogador de futebol da história.


Quem seria capaz de tal proeza nos dias atuais?


Pelé é eterno.
 


Leia também