Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Saúde e Beleza | 02/01/2021

Onicomicose

Júlia Mendes é médica dermatologista e pediatra. CRM: 101090-SP / RQE: 32157/ RQE: 27484

Freepik

Infecção nas unhas causada por fungos.

Os fungos podem ser de origem:


Zoofílica: de amimais, como por exemplo do cachorro ou gato.


Geofílico: do solo, micose que pega da terra ou da areia. 


Antropofílico: de humano; micose que passa de pessoa para pessoa. 


Os fungos se alimentam da queratina que estão presentes na pele, nos cabelos e nas unhas. Os fungos gostam de lugares úmidos e abafados para o seu desenvolvimento.   As unhas são compostas em sua maior parte por essa queratina, que é uma proteína.  As unhas dos pés são as mais afetadas por enfrentarem ambientes úmidos, abafados, escuros e quentes com maior frequência do que as das mãos. 


Veja alguns tipos de micoses de unhas: 


Descolamento da borda livre: forma mais frequente, nela a unha se descola, geralmente iniciando o processo pelos cantos. O espaço fica oco, podendo acumular restos de queratina e bactérias, além dos fungos. O aspecto é amarelado ou esbranquiçado. Porém, nem toda a unha que está descolada sofre de micose. Isso pode surgir pelo trauma de unhas compridas nos sapatos, e em pessoas que correm ou praticam esportes de impacto como tênis e futebol. Mas, esse trauma repetitivo e o descolamento, favorece a contaminação fungica.


Espessamento: ocorre quando as unhas ficam mais duras, grossas e, geralmente, também escurecidas, podendo até doer. A micose pode levar a unha a adquirir um aspecto grosso, chamado popularmente de “unha de telha” ou “unha de gavião”. Nem toda unha com esse aspecto, necessariamente, sofre de micose. Isso pode acontecer somente pelo uso de sapatos apertados durante muitos anos.


Leuconíquia: descoloração esbranquiçada na superfície das unhas. Pode ser o início de uma micose ou decorrente do envelhecimento dos esmaltes sobre as unhas.


Paroníquia: infecção conhecida popularmente como “unheiro” ou “mão de lavadeira”, geralmente causada por um tipo de fungo, a Candida, a mesma que pode surgir em pacientes com corrimento vaginal. Trata-se de um fungo oportunista, mas que não é o culpado do surgimento desse tipo de problema, mas que ajuda a piorar o quadro. Inicialmente há inflamação, com dor e vermelhidão da pele ao redor da unha. Isso acaba se tornando crônico e leva à perda da cutícula, que deixa de nascer. Com o tempo, a inflamação cede e há um aumento da pele dessa região, que se torna espessada e endurecida. Nesse momento, começa a ocorrer uma alteração no formato da unha que passa a crescer ondulada e com alterações na superfície e na cor. Essa inflamação da pele ao redor da unha, ou seja, do tecido periungueal, pode ser provocada por fungos e bactérias, mas a principal causa é a umidade constante da mão, principalmente em pessoas que manipulam muito a água e os produtos de limpeza.


Micológico direto e cultura:  é o exame que identifica e classifica o fungo, mas um resultado negativo não exclui a hipótese diagnóstica de fungo, pois o exame passa por várias etapas, onde pode haver falhas desde o preparo para coleta, na coleta e nas demais etapas, ficando mais difícil de fazer o fungo crescer e por isso tudo o resultado do exame também é demorado.

Tratamentos:


Cuidados gerais: se a onicomicose está nos pés, deve-se manter os sapatos higienizados, limpos e secos. Após usar o sapato passar um pano por dentro com álcool e deixar no sol antes de guardar. De preferência para usar sapatos abertos na frente. Materiais sintéticos deixam os pés mais úmidos e ajudam na proliferação do fungo. As meias ideias são as de 100% algodão. Se a onicomicose estiver nas mãos deve-se usar luvas para cozinhar e lavar louças.


Alertas as manicures: as lixas que forem usar nas unhas que estão acometidas pelo fungo não podem ser usadas nas outras unhas, tem que usar a lixa cada vez de um lado novo e ir cortando com a tesoura e jogando fora (nas lixas tradicionais com o formato mais comprido). As lixas pequenas e descartáveis são as ideais, usadas individualmente em cada unha acometida e depois descartadas. O mesmo cuidado se deve ter com os palitos, pois esses fungos podem ser transmitidos através das lixas e dos palitos.


Tópico: de uso local, sob a forma de cremes, soluções ou esmaltes. Sempre associados com os outros tratamentos.


Medicamentoso: tratamento por via oral, indicado nos casos de acometimentos superiores a 30% de uma unha, principalmente quando atinge a matriz ungueal ou quando acomete várias unhas ao mesmo tempo. Vale ressaltar, que os antifúngicos orais têm bastantes interações medicamentosas, devendo ser evitados em idosos e são proibidos com bebidas alcóolicas.  


Laser: é o mais breve, moderno e efetivo tratamento contra a onicomicose. O laser Nd Yag, por exemplo, por aquecimento cumulativo consegue romper a barreira do fungo e assim eliminá-los, sendo necessário 6 sessões em média, com intervalos mensais.


Tempo de tratamento: A duração é, em média, de seis meses, quando associados os tratamentos, podendo chegar a dois anos, pois depende do crescimento das unhas, que é lento. A persistência é fundamental para o sucesso. Importante: não interromper o tratamento antes do tempo recomendado pelo dermatologista, mesmo achando que a unha melhorou, pois, a infecção pode ainda estar presente. A desistência pode levar a uma “cura” incompleta.  


Orientações: O tratamento deve ser orientado por um dermatologista. Nunca se deve partir para a automedicação, pois ela pode mascarar os sintomas. O tratamento da paroníquia pode requerer uma intervenção cirúrgica, por isso é muito importante evitar o contato com água, além de sempre usar luvas. As alterações nas unhas podem ser uma manifestação de uma doença sistêmica. Portanto, o correto é evitar terapias caseiras e indicações de profissionais não médicos para tratar qualquer lesão ungueal ou periungueal. O melhor é sempre procurar um médico dermatologista.  


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete a linha editorial e ideológica do Jornal da Orla. O jornal não se responsabiliza pelas colunas publicadas neste espaço.


Leia também

Colunistas | 18/09/2021
Colunistas | 11/09/2021