Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Significados do Judaísmo | 30/12/2020

Mezuzá, A Santificação do Lar Judaico

Mendy Tal - Cientista Político

O costume de afixar uma mezuzá na ombreira da porta cumpre um mandamento bíblico.

É geralmente aceito que o Judaísmo como religião é mais orientado para a santidade do tempo, como o Shabat e as Festas, do que a santidade do lugar. Há muitas ocasiões em que santificamos o tempo, mas muito poucos lugares que chamamos de santos.


 
Isso não é uma verdade absoluta, pois o próprio lugar em que vivemos, nossa residência permanente, é santificado.


 
Isso é conseguido através de um ritual muito concreto, através da mezuzá.
 


A palavra mezuzá significa literalmente “um batente de porta”. A etimologia desta palavra não é totalmente clara. 
 


As fontes tradicionais conectam esta palavra com a raiz “zuz” - mover. Os linguistas atribuem essa palavra ao acadiano “nazazu” - ficar, ou “manzazu” - um batente de porta.


 
Nas Escrituras, a palavra mezuzot geralmente significa batentes de porta. No entanto, em alguns lugares é traduzido como portas (Provérbios VIII, 34), janelas (Reis VII, 5; Septuaginta), Portões do Templo (I Samuel I, 9) ou ombreiras (Ezequiel XLI, 21). 


 
No uso coloquial contemporâneo, mezuzá geralmente significa o mandamento ou o próprio pergaminho contendo o texto prescrito de Shemá e Vehayá. 
 


O que torna a mezuzá importante é o conceito de que a ombreira da porta é a linha divisória entre o redemoinho do mundo exterior e a santidade e o porto seguro do lar. A mezuzá nos lembra que nossos lares são lugares sagrados e que devemos agir de acordo - quando entramos e quando os deixamos para sair para o mundo.


 
Na verdade, uma mezuzá é um lembrete diário - e uma declaração pública - da identidade e fé judaicas.


 
A mezuzá distingue uma casa judaica e é um sinal e símbolo visível para todos aqueles que entram, que um senso de identidade judaica e compromisso existe naquela casa. 


 
O costume de afixar uma mezuzá na ombreira da porta cumpre o mandamento bíblico: “As escreverás nas ombreiras da tua casa e nas tuas portas” (Deuteronômio 6: 9). 


 
A peça passou a se referir ao pergaminho, ou klaf, no qual certos versos da Torá são inscritos, notadamente o Shemá.


 
Mezuzá também se refere ao estojo ou recipiente no qual o pergaminho é colocado. Uma das funções da peça é lembrar, a cada vez que você entra ou sai de alguma casa judia, de que você tem uma aliança com Deus.


 
O pedaço de pergaminho é enrolado com firmeza e feito da pele de um animal ritualmente limpo, escrito à mão por escribas, em tradicionalmente vinte e duas linhas, com palavras de Deuteronômio, o quinto dos Cinco Livros de Moisés. 


 
Especificamente, eles são o Capítulo 6, versículos 4 a 9 e o Capítulo 11, versículos 13 a 21, e começam com “Shemá Israel, Adonai Eloheinu Adonai Echad” (Ouve, ó Israel, o Senhor nosso Deus, o Senhor é Um). O pergaminho, ou klaf, é enrolado do início ao fim, de modo que a primeira palavra, shemá, fique no topo.


 
No verso do pergaminho está a palavra hebraica Shaddai, um dos nomes místicos do Todo-Poderoso. Shaddai também é um acrônimo em hebraico para Shomer Daltot Yisrael, Guardião dos Portões de Israel.


 
A caixa da mezuzá deve ter uma abertura através da qual a palavra Shaddai seja visível. 


 
Se a caixa for feita de um material que não permite uma janela, como pedra, então alguns afirmam que a palavra Shaddai, ou a letra hebraica Shin deve aparecer na face da mezuzá. O pergaminho deve ser verificado duas vezes a cada sete anos.


 
Uma mezuzá deve ser fixada no batente da porta de cada espaço habitável na casa, não apenas na porta de entrada. 


Qualquer sala que tenha dois batentes de porta e um apoio no alto requer uma mezuzá, portanto, deve-se consultar um rabino. Banheiros, armários, lavanderia, sala de caldeiras e assim por diante, entretanto, não requerem mezuzá.


 
A mezuzá deve ser colocada o mais rápido possível após a mudança, e não depois de trinta dias. Uma residência temporária, ou seja, um local em que residimos por menos de trinta dias, não requer uma mezuzá. Um dormitório, que um estudante considera uma casa longe de casa, deve ter a peça.


 
Maimônides, o grande sábio que viveu durante o século 12, escreveu: "Sempre que alguém entrar ou sair de uma casa com a mezuzá na ombreira da porta, será confrontado com a declaração da unidade de Deus e será despertado de sua absorção tola em vaidades temporais. Ele perceberá que nada dura por toda a eternidade, exceto o conhecimento do Governante do Universo. "


 
Um dos rabinos franceses mais famosos do século XII foi o rabino Solomon ben Isaac, também conhecido como Rashi. 


 
Seu neto, Rabbenu Tam, achava que mezuzot deveriam ser afixadas horizontalmente por causa da tradição, porque os pergaminhos em seus estojos de couro eram originalmente empurrados horizontalmente nas fendas entre as pedras ao redor das portas das casas.


 
Rashi argumentou que as mezuzot deveriam ser fixadas verticalmente, de forma que o topo apontasse para o Todo-Poderoso. 


 
Eles finalmente chegaram a um acordo e anuíram que uma mezuzá deveria ser pendurada na diagonal, com o topo inclinado para dentro. A decisão, que permite que a paz reine em um lar judeu na França do século 12, faz parte da mensagem da mezuzá.


 
Em parte, como resultado das letras, em parte porque algumas pessoas tendem naturalmente para a superstição, a mezuzá às vezes recebeu o status de amuleto, um amuleto mágico. 


 
Não apenas nas culturas medievais, mas mesmo em nossos dias, alguns atribuem ou explicam o infortúnio como estando relacionado à falta de mezuzot kosher.


 
A mezuzá não tem o objetivo de ser um dispositivo de proteção, nem a falta dela uma fonte de punição direta. 


 
Uma mezuzá é um sinal e lembrete do Pacto, de nosso amor e compromisso e nossa disposição de criar uma família judaica. 


 
Isso, por si só, é suficiente.

 

 


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete a linha editorial e ideológica do Jornal da Orla. O jornal não se responsabiliza pelas colunas publicadas neste espaço. 


Leia também