Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Notícias/Porto | 13/01/2021

Ecoporto consolida sua presença no mercado como terminal multipropósito

conteúdo patrocinado
Fotos: Ecoporto

DNA multipropósito da empresa vai além do ano de 2020.

O Ecoporto, empresa do Grupo EcoRodovias no Porto de Santos encerrou o ano de 2020 consolidando sua característica de terminal multipropósito na Baixada Santista.


Além da movimentação de contêineres, o terminal atendeu operações de veículos, maquinários e cargas-projeto.


“Nos consolidamos cada vez mais como o terminal referência nas operações de navios multipropósito e, além de contêineres, movimentamos cargas de natureza complexa como cargas de projetos, maquinários e equipamentos especiais de alto valor agregado para o comércio exterior brasileiro. Além disso, somos líderes na movimentação de cargas fracionadas (LCL) – provenientes de estufagem ou desova de contêineres, oferecendo ainda uma gama diferenciada de serviços logísticos no transporte, coleta e entrega na planta de nossos clientes” diz Luiz Araújo, Diretor Comercial.


Em 2020, o terminal realizou diversos projetos com destaque especial para a importação de uma nova planta de celulose no interior de SP e a exportação de componentes para a construção de uma hidrelétrica na Colômbia.


São projetos como esses que mostram a importância de um terminal dedicado a esse tipo de operação. Eles requerem uma abordagem mais técnica e coordenada no recebimento, movimentação, e embarque ou descarga, de volumes com embalagens, peso e dimensões diversas; ao passo que, em outras operações no porto temos uma linearidade maior como nas operações com contêiner ou o granel, por exemplo, destaca Araujo.


O porto e as empresas portuárias são um importante vetor de desenvolvimento do país e fortaleceram a economia nesses tempos de pandemia, gerando exportações e escoando parte da grande safra que tivemos. Além desse ponto, o Ecoporto também ampliou seus projetos socioambientais junto à comunidade onde suas unidades de negócios estão localizadas, Santos e Cubatão.


 
Gabriel Jordão, Gerente de Sustentabilidade, Segurança e Infraestrutura ressaltou: “Temos um compromisso com o planeta onde vivemos e com as pessoas com quem convivemos, portanto, colaborar e atuar no social e no meio ambiente, alinhados as premissas mundiais e em conjunto com a sociedade, com os nossos colaboradores, fornecedores e clientes é uma questão vital e fundamental para nós. Queremos criar, desenvolver e fazer com que a nossa comunidade cresça com uma melhor qualidade de vida, numa sociedade mais justa, ecológica e comprometida com o desenvolvimento de todos.”


Pensando assim, foi criado o projeto Ecosocial do Bem, alinhado aos ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas). Dentre os projetos do Ecosocial do Bem implantados em 2020, destacamos a Horta Ecosocial do Bem e a Cesta Ecosocial do Bem.

 


A Horta Ecosocial do Bem, através de ONGs e Associações parceiras, capacitou moradores das comunidades, ensinando-os a plantar e colher, além de ter disponibilizado cursos teóricos e práticos de hortaliças, dicas de nutrição e receitas com vegetais para que essas pessoas possam utilizar e passar esses conhecimentos adiante.


O conceito é ensinar pessoas das comunidades a plantarem e a colherem através de aulas práticas e teóricas. Esses moradores depois de capacitados se tornam agentes multiplicadores dentro da comunidade e assim ajudam a fortalecer seu ambiente social.


“Nosso DNA multipropósito vai muito além das diversidades de operações atendidas no terminal. Estar integrado e contribuir para o crescimento da região da Baixada é também nossa missão” diz Araujo.

 


O projeto Cesta Básica Ecosocial do Bem veio para ajudar a comunidade nesse momento desafiador que estamos vivendo, especialmente para as famílias de baixa renda. Com o objetivo de minimizar o impacto causado pela pandemia Covid-19, o Ecoporto e o Ecopátio em conjunto com ONGs e Associações, têm distribuído cestas básicas para as famílias carentes.


Além da distribuição das cestas, o Ecoporto e o Ecopátio estão realizando reformas estruturais nos locais escolhidos e irão promover melhorias para o funcionamento desses locais. Com a ajuda e experiência dos seus colaboradores a empresa faz intervenções para que essas instituições possam atender ainda melhor a comunidade onde atuam.


Estes projetos contam com a participação de colaboradores voluntários do Ecoporto e do Ecopátio e que são fundamentais para o sucesso das ações.


Todos os procedimentos para prevenção ao Covid-19 foram e estão sendo tomados garantindo a segurança de todos.


A empresa também investiu para a construção da Fundação Parque Tecnológico de Santos e na revitalização do CREAS POP da cidade.


 
Inaugurado em outubro de 2020, o edifício do Parque Tecnológico conta com os equipamentos para apoio às pesquisas de desenvolvimento tecnológico. No local, laboratórios, startups, universidades e empresas tem a oportunidade de trabalharem juntos para buscar novas tecnologias e desenvolver projetos inovadores. O espaço e sua estrutura são destinados ao empreendedor que busca inovação para decolar o seu próprio negócio.

 

O objetivo dos parques tecnológicos é incentivar a ciência, tecnologia e empreendedorismo entre as instituições e as empresas vinculadas ao espaço. Com essa abordagem, a expectativa é transformar a região em um dos principais polos tecnológicos do Brasil, visão que o Ecoporto carrega consigo.

 

Sobre o ECOPORTO: Terminal portuário multipropósito do Grupo e EcoRodovias, localizado na margem direita do Porto de Santos, maior complexo portuário do país, próximo ao centro de negócios da cidade, da Alfândega e das agências marítimas e com acesso direto ao complexo rodoviário e aos ramais ferroviários. Em seus 175 mil m² de área alfandegada oferece atendimento diferenciado, soluções criativas, segurança com padrão internacional e serviços de logística integrada: operação portuária, DTA Hub Port, manuseio e armazenagem alfandegada de cargas de importação e exportação sob controle aduaneiro, transporte e redex.
 

 

 

 

 


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete a linha editorial e ideológica do Jornal da Orla. O jornal não se responsabiliza pelas colunas publicadas neste espaço.


Leia também