Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Saúde e Beleza | 30/01/2021

Hanseníase - campanha de conscientização nacional

Júlia Mendes é médica dermatologista e pediatra. CRM: 101090-SP / RQE: 32157/ RQE: 27484

Brasil só perde para a Índia em número de casos da doença.

Trinta e um de janeiro é o Dia mundial de luta contra a Hanseníase. A Sociedade Brasileira de Dermatologia criou o janeiro roxo, mês dedicado à conscientização sobre essa doença que aflige um grande número de brasileiros.

 

Embora seja uma doença milenar, descrita no Egito 4.300 anos a.C., o Brasil só perde para a Índia em número de casos. A cada ano são detectados em torno de 30.000 novos casos em nosso país, e a transmissão se dá através do convívio com doentes sem tratamento. Procure um médico se apresentar manchas em qualquer parte da pele com diminuição da sensibilidade ao calor e ao frio, à dor e ao tato.


A eliminação da hanseníase, como um problema de saúde pública, depende da detecção precoce para interromper a cadeia de transmissão da doença. É importante salientar que a doença tem cura e o tratamento é gratuito, fornecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O combate ao estigma é de fundamental importância, uma vez que a doença era conhecida como lepra, termo abolido no Brasil, e que trazia muita discriminação às pessoas afetadas. 


Para garantir um Brasil sem a doença é preciso fortalecer a coordenação e parceria dos governos nas diferentes esferas. Para dar dimensão a esse alerta, a SBD convidou neste ano instituições de referência nacional. Além de representantes das Secretarias de Saúde dos Estados (Conass) e Municípios (Conasems), também foram convidados a encampar esta luta – por meio da iluminação de suas sedes e filiais ou distribuição de conteúdo digital – o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Associação Médica Brasileira (AMB), a Confederação Nacional de Municípios (CNM), a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
 

Darlene Polito
Mestre e Doutora em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da USP
Professora titular de Dermatologia da UNIMES
Professora assistente do serviço de Dermatologia do Hospital Guilherme Álvaro

 

 


 


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete a linha editorial e ideológica do Jornal da Orla. O jornal não se responsabiliza pelas colunas publicadas neste espaço.


Leia também

Colunistas | 16/10/2021
Colunistas | 09/10/2021
Colunistas | 02/10/2021