Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Novo Coronavírus/Novo Coronavírus | 22/02/2021

Vacina de Oxford: transferência da tecnologia para Fiozcruz deve ser concluída em março

COM INFORMAÇÕES DA AGÊNCIA BRASIL
Divulgação/Fiocruz

Assinatura do contrato com Astrazeneca seria em 2020.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) afirmou, no domingo (21), que deve ser assinado até março o contrato com a farmacêutica AstraZeneca que detalha a transferência de tecnologia para a produção do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) da vacina Oxford no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos). A empresa anglo-sueca é desenvolvedora da vacina em parceria com a universidade britânica.

 

A Fiocruz informou que, inicialmente, havia a previsão de que o contrato fosse assinado ainda em 2020. "No entanto, o grau de detalhamento necessário para esse tipo de documentação exigiu um tempo maior de preparação", diz a fundação.

 

A não assinatura do contrato de detalhamento, segundo a Fiocruz, não impactou o cronograma atual de entrega das vacinas, já que, neste momento, as vacinas são produzidas a partir de IFA importado do laboratório WuXi Biologics, na China. Entenda o que é o IFA.

 

O acordo de encomenda tecnológica entre a Fiocruz e a farmacêutica AstraZeneca prevê que, até julho, 100,4 milhões de doses sejam produzidas a partir de IFA importado.  A partir desse acordo, a Fiocruz já incorporou a tecnologia necessária para formular a vacina utilizando IFA importado e iniciou a produção das doses. 

 

Esse acordo também prevê parâmetros gerais para a transferência de tecnologia, que precisam ser detalhados no contrato específico que ainda não foi assinado. Apesar disso, a fundação já trabalha na preparação da estrutura necessária para iniciar a produção do IFA nacional, que permitirá a produção de mais 110 milhões de doses no segundo semestre.

 

"A planta industrial de Bio-Manguinhos/Fiocruz já está sendo adaptada para essa produção e a previsão é de que esteja pronta em abril para a produção nacional do IFA. O início e a conclusão desse processo de transferência para a produção nacional do IFA, bem como as entregas de vacinas integralmente produzidas por Bio-Manguinhos/Fiocruz, previstas para o segundo semestre, estarão detalhadas em cronograma a ser pactuado no contrato de transferência". 


Leia também