Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Saúde e Beleza | 20/03/2021

Tipos de nevos ("pintas")

Júlia Mendes é médica dermatologista e pediatra. CRM: 101090-SP / RQE: 32157/ RQE: 27484

Há 3 tipos de células produtoras de melanina, responsáveis por lesões pigmentares.

 

  1. MELANÓCITOS EPIDÉRMICOS
  2. MELANÓCITOS DÉRMICOS
  3. CÉLULAS NÉVICAS

 

A. MELANÓCITOS EPIDÉRMICOS:

  • Oriundos da crista neural
  • Localizados entre as células da camada basal
  • Podem estar em número normal na camada basal, porém com aumento da atividade
  • Podem estar em número maior em cristas epiteliais alongadas 
  1. Efélides
  2. Mancha melânica (café au lait)
  3. Lentigo simples
  4. Lentiginose
  5. Síndromes lentiginosas
  6. Melanoses de Becker
  7. Melanose solar

 

1. EFÉLIDES

2. MANCHA CAFÉ AU LAIT

  • Aumento da atividade dos melanócitos, sem alteração do número 

 

3. LENTIGO SIMPLES

  • Máculas pontuadas ou gotadas de cor castanha escura a preta 
  • Aumento do número de melanócitos e alongamento regular das cristas epiteliais, com hiperprodução de melanina

 

4. LENTIGINOSE

  • Lentigos disseminados por toda a pele

5. SÍNDROMES DE LENTIGINOSE MÚLTIPLAS

  • Síndrome LEOPARD
  • Síndrome NAME
  • Síndrome LAMB

 

6. MELANOSE PILOSA DE BECKER

  • Nevo pigmentado e piloso
  • Unilateral 
  • Mais frequente no sexo masculino
  • Surge na adolescência após exposição solar e aumenta por alguns meses até 2 anos
  • Geralmente no ombro, braço e porção superior do tronco 
  • Hipertricose e mancha pigmentar
  • Devido a uma maior atividade do melanócitos epidérmico
  • Espessamento da haste pilosa

 

7. MELANOSE SOLAR

  • Mancha até 1,5 cm de diâmetro
  • De cor castanha clara ou escura
  • Localizadas no dorso das mãos, punho, antebraços e face
  • Alongamento das cristas epiteliais, com aumento ou número normal de melanócitos
  • Melanócitos com maior produção de melanina
  • Originado pela ação cumulativa da luz solar

 

B. MELANÓCITOS DÉRMICOS:

  • Localizam-se na derme reticular
  1. Mácula mongólica
  2. Nevos de Ota
  3. Nevos de Ito
  4. Nevos Azul

 

1. MANCHA MONGÓLICA:

  • Região lombossacra
  • Cor azul-acinzentada
  • Raça amarela ou negra
  • Presente ao nascimento e esmaece gradualmente até quase sempre desaparecer  
  • Melanócitos na porção média da derme

 

2. NEVO DE OTA:

  • Área de distribuição do primeiro e segundo ramos do nervo trigêmeo
  • Frequentemente associado com pigmentação ocular e eventualmente, da mucosa nasal, palatina ou faringeana

 

3. NEVO DE ITO:

  • Regiões do ombro, áreas supraclavicular e pescoço

 

4. NEVO AZUL:

  • Cor azul-escura a negra
  • Bem delimitada, redonda ou oval, plana ou saliente
  • É mais comum na face e dorso das mãos
  • Degeneração maligna é excepcional
  • Melanócitos na derme

 

C. CÉLULAS NÉVICAS:

 

  • Congênitos ou adquiridos

 

  1. NEVO MELANOCÍTICO JUNCIONAL
  2. NEVO MELANOCÍTICO INTRADÉRMICO
  3. NEVO MELANOCÍTICO COMPOSTO
  4. NEVO MELANOCÍTICO CONGÊNITO
  5. NEVO DISPLÁSICO
  6. NEVO HALO
  7. NEVO DE CÉLULAS BALONIZANTES
  8. NEVO DE CÉLULAS FUSIFORMES/SPITZ

 

1. NEVO MELANOCÍTICO JUNCIONAL

  • Células névicas se situam na derme papilar, junto à camada basal inicialmente e tb depois na junção dermo-epidérmica
  • Inicialmente são máculas planas, de cor uniforme do marrom a negro, aumentam até 4 a 8 mm de diâmetro
  • Fase inicial: melanócitos oriundos da crista neural localizados na epiderme
  • Na evolução aumentam de número formando agrupamentos na junção dermo-epidérmica 
  • Nevos pigmentares planos

 

2. NEVO MELANOCÍTICO INTRADÉRMICO

  • Células névicas se situam na derme
  • No estágio final da evolução as células névicas se aprofundam ainda mais na derme, adquirem aspecto neural com diminuição da produção de melanina.
  • Lesões papulosas ou pedunculadas, com coloração da pele normal
  • Nevos pedunculado ou em forma de domo

 

3. NEVO MELANOCÍTICO COMPOSTO

  • Células névicas se situam na junção dermo-epidérmica e na derme
  • Suas células se aprofundam formando lesão elevada, papulosa, pigmentada, mas em geral não negra 
  • Nevos salientes e verrucosos são compostos ou intradérmicos

 

4. NEVO MELANOCÍTICO CONGÊNITO:

 

  • Presentes ao nascimento em 1% dos neonatos
  • Lesões pigmentares planas de tamanho variável, redondas ou ovais, de limite nítidos.
  • Pequenos: menores de 1,5 cm de diâmetro
  • Médios: 1,5 a 19,9 cm de diâmetro
  • Grandes: igual ou maior a 20 cm
  • Gigantes: grandes dimensões que recobrem grandes extensões do corpo, com maior possibilidade de:

- malignização com evolução para melanoma maligno

- melanocitose das leptomeninges quando localizadas no pescoço e couro cabeludo (melanose neurocutânea). Melanócitos infiltrando os vasos que invadem o cérebro, tecido nervoso central e medular. Pode ocorrer hidrocefalia por obstrução do espaço subaracnóideo, com disseminação metastática, formando-se nódulos múltiplos no cérebro.

  • Sobre a coluna vertebral podem estar associados a espinha bífida ou meningocele.

 

5. NEVO DISPLÁSICO

 

  • São mais numerosos
  • Nas formas familiares pode ocorrer mais de 100 lesões
  • Tamanho: 6 a 15 mm de diâmetro
  • Ausentes no nascimento e se tornam aparente a partir da puberdade até os 35 anos
  • São frequentes também no couro cabeludo, nádegas e mamas
  • Bordas irregulares, de limites mal definidos, pigmentação irregular e variável, do marrom ao marrom escuro e, mesmo tonalidades róseas.
  • Lesão que lembra um “ovo frito” / Máculas ou máculo-pápulosas, de superfície granulosa.
  • Podem ser marcadores ou precursores de melanoma maligno (risco de 10%)
  • Esporádicos ou familiares
  • FAMILIAR: 

  ~ Herança dominante

~ síndrome do nevo displásico ou síndrome B-K: 

- quando tem 2 ou mais membros da família.

- maior relação com os casos de melanoma maligno

- Indivíduo com nevo displásico familiar e 2 ou mais parentes de primeiro grau com melanoma maligno, o risco de melanoma é praticamente 100%.

  • Melanoma pode surgir sobre o nevo displásico, sendo esse um precursor
  • Melanoma pode surgir sobre pele normal, sendo o nevo displásico um marcador de melanoma.

 

6. NEVO HALO

 

  • Vitiligo perinévico
  • Halo hipocrômico com nevo melanocítico, que evoluem para 
  • Halo acrômico com regressão parcial do nevo e depois  
  • Área acrômica com o nevo totalmente desaparecido
  • Reação imunológica com formação de anticorpos antimelanócitos que destroem os melanócitos névicos e os melanócitos da pele ao redor

 

7. NEVO DE CÉLULAS BALONIZANTES

 

  • Nevo de células globosas
  • Células melanocíticas em forma globosa, em balão
  • Lesão solitária, ligeiramente elevada, castanha clara

 

8. NEVO SPILUS

 

  • Nevo sobre nevo
  • Sobre mancha café-com-leite irregular, surgem múltiplas lesões lenticulares pequenas, típicos nevos pigmentares
  • Hiperpigmentação da basal com nevos juncionais ou compostos 

 

9. NEVO SPITZ

 

  • Nevo de células fusiformes e epitelióides ou
  • Melanoma benigno juvenil
  • É um tumor benigno
  • Diagnóstico diferencial com melanoma maligno
  • É um nevo juncional, dérmico ou composto, constituído por células névicas fusiformes ou epitelióides
  • Mais frequente em crianças e na face
  • Lesão solitária, pequena, indolor e róseo

 

10. NEVO DE REED

 

  • Nevo pigmentado de células fusiformes
  • Nevo melanocítico benigno
  • Pápula achatada ou ligeiramente elevada, bem delimitada, pigmentada de cor azul-escura ou negra

 

11. NEVO DE MEYERSON

 

  • Nevo com uma reação inflamatória
  • Eczema perinévico ou nevo eczematizado

 

O dermatologoista é o médico especializado para avaliar os seus nevos e se necessário indica a retirada e manda para o exame histopatológico.

 

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete a linha editorial e ideológica do Jornal da Orla. O jornal não se responsabiliza pelas colunas publicadas neste espaço.


Leia também

Colunistas | 08/05/2021
Colunistas | 01/05/2021
Colunistas | 24/04/2021