Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Blog do Carpentieri | 31/03/2021

Um país sem sorte

Diretor de Redação do Jornal da Orla

Fabio Pozzebom/ABR

Santos cruz: “Não se pode deixar evoluir o fanatismo”.  

Cansados das besteiras e roubalheiras protagonizadas por uma classe política que perdeu a vergonha na cara, milhões de brasileiros resolveram escolher um militar – o capitão Jair Messias Bolsonaro para comandar o país.


O nome Messias poderia indicar um salvador, e tem sido assim no Brasil. 


O povo está sempre à procura de um salvador.


Deu ruim de novo.


O messias que também é mais conhecido por Jair Bolsonaro é uma fraude. 


Um Collor piorado, com traços de psicopatia, segundo atestam vários psiquiatras.


Já são mais de 320 mil mortos no Brasil, país hoje transformado no epicentro da Covid-19 e uma ameaça ao mundo.


Muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas se o falso messias tivesse seguido o que recomenda a ciência – uso de máscara, álcool gel e distanciamento social.


E também investido em vacinação em massa.


O mínimo que se espera de um líder.


O presidente preferiu politizar o vírus e fez tudo ao contrário.


 Aglomerou, andou sem máscara, não quis comprar vacina – pelo contrário, andou dizendo que quem tomasse vacina poderia virar jacaré.


Debochou de quem usou máscara. 


O machão do Planalto chamava de “maricas” quem usava o equipamento de proteção.


Com o aumento do número de mortes, dizia: “e daí, não sou coveiro”.


Ou então:


“Chega de frescura e mimimi. Vão chorar até quando?”


Pois é. 


Esse sujeito desequilibrado está levando o país para o buraco, e muitos brasileiros para o cemitério, enquanto seus fanáticos seguidores batem palminhas e divulgam fake News.


Não bastasse a tragédia, Bolsonaro resolveu agora criar uma crise com os militares.


Em menos de 3 minutos demitiu seu ministro da defesa, general Fernando Azevedo e Silva e, depois, os três comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica.


Não houve sequer uma nota de agradecimento.


Quatro militares da mais alta patente, profissionais competentes, honrados e patriotas, que desejam o bem do Brasil e exigem que a Constituição seja respeitada.


Desrespeitados e humilhados por um capitão que foi banido do Exército.


No dicionário de Jair Bolsonaro não existe a palavra respeito.


Nem para os colegas de farda.


Quando Bolsonaro foi defenestrado do Exército por querer explodir bombas para conseguir aumento salarial, o general Ernesto Geisel foi taxativo: É um mau militar.


É pior que isso.


A forma como Bolsonaro conduz o país em meio à pandemia e como trata seus auxiliares, em especial os generais, revela o seu verdadeiro caráter.


Com suas loucuras, o “mito” vai perdendo apoios.


Pulam fora do barco banqueiros, grandes empresários, economistas, setores da classe média e, agora, muitos militares.


O general Santos Cruz, bastante respeitado no meio militar, faz um resumo do que está acontecendo:


“O país não encontrou a paz que precisa. Depois da eleição você tem de governar para todo mundo. Essa paz não chegou”.

 

Santos Cruz, que foi ministro do governo Bolsonaro, alerta:


“Eu vivi anos em áreas de conflito. Vejo que o fanatismo que está acontecendo no Brasil é perigoso. Fanatismo leva à violência. Sempre quero alertar sobre isso. Não se pode deixar evoluir o fanatismo. O pessoal não tem noção do que é uma guerra civil”.


Muitos brasileiros que votaram em Bolsonaro temiam que o Brasil virasse uma Venezuela com o candidato do PT.


Só não virou ainda com Bolsonaro porque os generais disseram NÃO!
Resta saber o que vem pela frente.


Não duvidem da incapacidade de Bolsonaro.


Leia também