Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Fronteiras da Ciência | 15/05/2021

A nossa parte

Jadir Albino é apresentador do programa "Fronteiras da Ciência", exibido aos domingos, às 19h, na Santa Cecília TV, com reapresentação aos sábados, às 21h.

Freepik

Planejemos o presente e estabeleçamos metas para o futuro sem amargura.

Conta-se que um sábio seguia por um caminho, com seus discípulos. A via era tortuosa, difícil.


Em certo trecho, encontraram um carro mergulhado em um atoleiro. Admirados, viram que, ao lado do veículo, seu dono estava de joelhos, os olhos cerrados, orando fervorosamente para que Deus retirasse seu carro daquela situação.


O grupo olhou aquele homem, mergulhado na prece, sensibilizou-se e prosseguiu a sua caminhada.


Alguns quilômetros vencidos, encontraram outro homem com o carro igualmente mergulhado num lamaçal.


Ao contrário do primeiro, esse empreendia todos os esforços para tentar tirar o carro do atoleiro. Empurrava, colocava pedras como calços, tornava a empurrar.


Enquanto tudo isso fazia, no entanto, ele reclamava, esbravejava, gritava.


O sábio olhou a cena, olhou para seus discípulos e os convidou a que todos juntos auxiliassem aquele desafortunado homem.


Reunidas todas as forças, breve o carro foi retirado e o viajante, agradecendo, prosseguiu feliz a sua jornada.
Os aprendizes, surpresos, indagaram ao mestre:


-Senhor, explique-nos por favor. O primeiro homem que encontramos, estava orando. Era piedoso, tinha fé no Grande Arquiteto do Universo e não o ajudamos. Mas esse homem estava esbravejando, reclamando, era rebelde e, contudo, recebeu nosso apoio. Por quê?


O sábio, sem se perturbar, explicou: 


-Aquele que estava orando, esperava simplesmente que Deus viesse fazer a tarefa que lhe competia. Esse outro, embora desesperado em sua ignorância, empenhava-se, esforçava-se, merecendo, portanto, auxílio.


[com base em psicografia de Divaldo Pereira Franco e na Redação do Momento Espírta]


A breve narrativa nos convida a nos indagarmos: seremos daquelas criaturas que somente reclamam do insucesso, dos dissabores, da enfermidade?


Somos dos que somente fazemos reclamar por não ter um amor, por não termos conseguido realizar o planificado para nossa própria existência?


Somos daqueles que acreditamos que nascemos para sofrer, penar, sermos infelizes?


Aprendemos, sim, que existem expiações que são inevitáveis, situações das quais não poderemos fugir, porque fazem parte das diversidades que nos ajudam a evoluir.


Contudo, nossas dificuldades podem ser atenuadas ou até eliminadas. Isso porque os atos saudáveis conquistam méritos para superar as ações danosas.


Mas, para isso, se faz necessário empreender esforços. Podemos e devemos alterar para melhor o clima que respiramos, o ambiente no qual nos encontramos.


Muitas vezes é necessário fazer alterações de rotas, movimentos e realizações. Abandonar as queixas, os pensamentos negativos, a mesmice de cada dia.


Abandonar as ideias negativas, o pessimismo porque, enquanto os alimentarmos, eles não nos abandonarão.


Planejemos o presente, estabeleçamos metas para o futuro e ponhamo-nos a trabalhar, sem amargura.


Lembremos, sobretudo, que não basta pedirmos ajuda ao Grande Arquiteto do Universo.


Precisamos fazer a nossa parte. E nossa parte se chama esforço pessoal, bom ânimo, perseverança. 


As orações são fundamentais quando também fazemos a nossa parte.


Saúde ou doença, bem ou mal-estar, felicidade ou infelicidade dependem de cada um de nós.


Perguntemo-nos: 
- O que desejamos para nosso amanhã?

 

Paz, saúde e prosperidade
 


Leia também

Colunistas | 24/07/2021
Colunistas | 17/07/2021
Colunistas | 10/07/2021