Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Cotidiano/Saúde | 29/05/2021

Consumo de cigarro aumenta na pandemia

No Brasil, mais de 157 mil pessoas morrem todos os anos por doenças associadas ao tabagismo.

Pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) indica que 34% dos fumantes brasileiros aumentaram a quantidade de cigarros consumidos durante a pandemia.


“Além de todos os riscos que o cigarro traz para a saúde física, sendo um fator agravante para inúmeras doenças, incluindo a Covid-19, o aumento de seu uso tem relação direta com o comprometimento da saúde mental dos fumantes”, adverte o pneumologista Celso Padovesi.


O estudo mostra que os fumantes também sofrem com deterioração da qualidade do sono e aumento dos sintomas de tristeza, irritação e sentimento de solidão.


Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil conta com 22 milhões de fumantes. Estima-se, ainda, que mais de 157 mil pessoas morrem todos os anos por doenças associadas ao tabagismo.


Não é somente o câncer de pulmão que está diretamente associado ao fumo. “Mais de 90% dos portadores dos cânceres de cavidade oral, incluindo a língua, garganta e esôfago, são ou foram expostos ao tabagismo”, afirma a médica Beatriz Cavalheiro, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço. 
 

Parar de fumar traz benefícios imediatos

1 dia- Os brônquios começam a limpar todos os resíduos deixados pelo fumo nas vias respiratórias, permitindo que os pulmões comecem a funcionar melhor.
3 meses- A função pulmonar melhora em até 30% e também há benefícios para a circulação sanguínea.
1 ano- Reduz pela metade o risco de desenvolver doenças cardíacas.
5 anos- O risco de morte por infarto cai consideravelmente e o risco de AVC diminui.
10 anos- Diminuem os riscos de câncer de boca, garganta, esôfago, pâncreas, rins e bexiga.
15 anos- O risco de câncer de pulmão torna-se o mesmo das pessoas não fumantes.

 

Estratégias simples ajudam a largar o vício

 

Medidas simples podem ajudar o fumante a reduzir a quantidade de cigarros e até parar completamente. Confira:

 

Torne o momento de fumar menos confortável
Parte do vício é alimentada pela associação criada no momento do fumo. Por isso, a dica é escolher uma postura e local diferentes, evitando estar relaxado e confortável.
 
Faça pequenas mudanças na rotina
Novos hábitos podem construir uma relação mais saudável com o corpo, reduzindo a procura pelo vício do cigarro. O fumante tem costumes rotineiros e tende a fumar sempre nos mesmos momentos do dia, nos mesmos lugares e da mesma forma.


Assim, a dica da médica é inserir novas atividades na rotina, com ações que mudem o ritmo usual e ocupem a mente. Faça substituições e coloque metas, como exercícios físicos e a progressão desses, sempre sob orientação profissional. Cultive outros hábitos saudáveis, como reduzir o consumo de álcool e alimentos industrializados ou multiprocessados.

Vá aos poucos
Embora a decisão de parar de fumar precise ser definitiva, os fumantes que tiveram aumento no número de cigarros podem enfrentar picos de ansiedade e estresse durante essa tentativa. A sugestão dos especialistas é criar um cronograma de redução de cigarros/dia, sempre seguindo as dicas anteriores para ajudar no processo.
 
Atrase o primeiro cigarro
A ideia é adiar o primeiro cigarro do dia em uma hora progressivamente ao longo dos dias. É importante que a pessoa estabeleça um prazo nesta etapa para que, ao final deste período, consiga parar por completo.
 
Procure apoio profissional
O acompanhamento médico é crucial principalmente para pessoas que fumam há muitos anos e encontram mais dificuldade no processo de parar.
 


Leia também