Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Mundo Pet | 12/06/2021

Animais que são fumantes passivos podem desenvolver câncer

É repórter do Jornal da Orla e "mãe" de dois cães, a Lola e o Paluza

Freepik

Pets absorvem os venenos oriundos do cigarro, pois estão o tempo todo se lambendo.

O mal que o cigarro faz à saúde dos pets ainda é pouco divulgado. Existem estudos que comprovam que animais vivem na companhia de tutores fumantes têm mais chances de desenvolver problemas respiratórios, doenças nos olhos e até câncer, como explica a veterinária da Nutrire, Luana Sartori. 


“Tumores nos pulmões e no nariz são mais frequentes em pets que moram em casas onde a nicotina é utilizada, fora as doenças mais simples como as alergias e as irritações oculares. Além disso, lesões na pele do pet também podem acontecer por causa da fumaça inalada. Os animais se tornam fumantes passivos tal e qual acontece com quem não fuma, mas convive com fumantes”, conta. 


Cães e gatos absorvem ainda mais os venenos oriundos do cigarro, pois estão o tempo todo se lambendo. Luana explica ainda que não é preciso uma grande quantidade de fumaça para que os pets sejam prejudicados. “As doenças que acometem os animais por conta da nicotina são graves, estamos falando de risco de vida, de intoxicações sérias e que poderiam ser evitadas”, acrescenta.

 
Para a especialista, a solução mais benéfica tanto para pets como para seus tutores é, obviamente, parar de fumar. “Se isso não for possível, evitar fumar perto do pet é fundamental, lavar as mãos após o uso da nicotina e trocar as roupas frequentemente podem ajudar a prevenir os riscos”, sugere. 


Se você é fumante e desconhece o que os elementos químicos do cigarro pode causar aos pets, a especialista fez uma lista com algumas das doenças provenientes também desse hábito: bronquite, conjuntivite, obesidade, tosses crônicas, lesões na pele e olhos, pneumonia grave, alergias diversas e câncer na boca, nariz e pulmão.   


“Além de tudo isso, as dicas essenciais também incluem levar o pet ao veterinário com frequência e não esquecer as vacinas necessárias para mantê-lo seguro e saudável por muitos anos”, conclui.


Leia também