Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Significados do Judaísmo | 16/06/2021

Orde Charles Wingate, nosso herói inusitado

Mendy Tal - Cientista Político

Wingate morreu em um acidente de avião na Birmânia, em 1944.

Poucos não-judeus, e ainda menos soldados britânicos, são considerados de maneira tão honrosa em Israel quanto Orde Charles Wingate, que se tornou uma lenda ao moldar as Forças Armadas de Israel (Tsahal).


 
Mesmo após mais de 70 anos após sua morte, Orde Wingate continua um herói em Israel.


 
Nascido em uma família cristã religiosa e um crente firme na Bíblia, Orde Wingate abraçou apaixonadamente a visão profética da redenção judaica e do retorno definitivo dos judeus a Eretz Israel. Durante seu serviço em Eretz Israel, trabalhou para ajudar a realizar esse ideal.


 
Wingate nasceu em 26 de fevereiro de 1903 na Índia, em uma família militar e missionária. Seu pai se aposentou do exército dois anos após o nascimento de Wingate.


 
A maior parte da infância de Wingate foi passada na Inglaterra. Durante os primeiros 12 anos de sua vida, ele socializou principalmente com seus irmãos. As sete crianças Wingate receberam uma educação cristã típica daquele período, e cada dia era reservado um tempo para estudar e memorizar as Escrituras.


 
Wingate recebeu também educação militar e foi comissionado em 1923. Serviu na Índia e depois no Sudão, onde estudou árabe e adquiriu familiaridade com o Oriente Médio. 


 
Wingate foi reconhecido como um oficial talentoso e, em 1936, já havia conquistado o posto de capitão. Naquele mesmo ano ele foi transferido para Eretz Israel, e serviu lá pelos próximos três anos.


 
Ele chegou em setembro de 1936, encarregado de acabar com a sabotagem que pequenos bandos de rebeldes árabes que atacavam regularmente tanto os britânicos quanto os judeus e sabotavam um oleoduto que ia do Iraque a Haifa através do Vale de Jezreel.


 
Suas táticas eram baseadas nos princípios estratégicos de surpresa, mobilidade e ataques noturnos, e serviam com eficácia tanto como unidades defensivas quanto ofensivas, prevenindo e resistindo com sucesso aos ataques árabes.


 
Wingate mantinha bons contatos com os chefes do Yishuv e da Haganá. Ele aprendeu hebraico e demonstrou sua convicção ardente de que os judeus tinham direito à sua pátria em Eretz Israel. 


 
Ele também reconheceu a necessidade de uma força militar ativa e sonhava em comandar o exército do futuro Estado judeu. Por causa de seus esforços e apoio, ele foi chamado no Yishuv de “ha-yedid”, o amigo.


 
Ele sempre visitava kibutz Ein Harod porque se sentia familiarizado com o juiz bíblico Gideon, que lutou naquela área, e a usou como base militar. 


 
O capitão formulou a ideia de formar pequenas unidades de ataque de comandos judeus liderados pelos britânicos, armados com granadas e armas leves de infantaria leve para combater a revolta árabe. Wingate levou sua ideia pessoalmente a Wavell, então comandante das forças britânicas na Palestina.


 
Em junho de 1938, o novo comandante britânico, general Haining, deu então sua permissão para criar a Special Night Squads, grupos armados formados por voluntários britânicos e Haganá. A Agência Judaica ajudou a pagar os salários e outros custos do pessoal da Haganá.


 
Wingate treinou, comandou e acompanhou-os em suas patrulhas. As unidades frequentemente emboscavam sabotadores árabes, invadindo aldeias fronteiriças que os atacantes usaram como bases. 


 
Nessas incursões, os homens de Wingate às vezes impunham severas punições coletivas aos aldeões, que eram criticadas pelos líderes sionistas e também pelos superiores britânicos de Wingate.


 
Orde Wingate desempenhou um papel fundamental na criação do etos militar de Israel. 


 
O primeiro-ministro britânico Winston Churchill escreveu a Lorna Wingate após a morte de seu marido a bordo de um avião militar americano que caiu na Birmânia em 24 de março de 1944: “Eu o reconheci como um gênio e esperava que ele se tornasse um homem com destino memorável”.


 
David Ben-Gurion pensou que Wingate poderia ter se tornado o primeiro chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel - uma possibilidade extraordinária para um cristão mergulhado em um sionismo de inspiração religiosa.


 
“Wingate era o pai do IDF. O IDF hoje permanece Wingatiano em termos de suas táticas ”, disse o membro do Knesset Michael Oren, um historiador que escreveu um roteiro sobre Wingate.


 
Wingate treinou seus homens em um ethos de utilizar o ataque sobre a defesa.


 
“O conceito era novo para nós”, escreveu Moshe Dayan em sua autobiografia, a respeito de seu primeiro encontro com Wingate, quando o visitante liderou uma emboscada noturna. “Os atacantes árabes foram forçados a perceber que não iriam mais encontrar nenhum caminho seguro para eles”.


 
Wingate aprendeu hebraico sozinho. Ele também tinha um lado excêntrico. Dayan escreveu sobre Wingate que regularmente realizava reuniões pelado, enquanto comia uma cebola crua, que às vezes ele usava pendurada no pescoço. Suas tropas frequentemente eram submetidas a longos sermões religiosos.


 
O intenso apoio de Wingate ao ponto de vista sionista, entretanto, era controverso, e em 1939 os britânicos sucumbiram à pressão árabe e transferiram Wingate de Eretz Israel. 


 
Seu passaporte foi carimbado com a restrição de que ele não poderia voltar a entrar no país. Seu envolvimento pessoal com a causa sionista foi, assim, reduzido, mas muitos daqueles que ele treinou tornaram-se chefes do Palmach e, mais tarde, das Forças de Defesa de Israel.


 
Wingate retornou brevemente à Grã-Bretanha, mas, reconhecido por seu talento militar, foi transferido para o serviço ativo. Em 1941 ele liderou a força na Etiópia contra os italianos e foi uma figura importante na libertação do país. 


 
Wingate foi morto em um acidente de avião na Birmânia em 1944.


 
A amizade de Wingate pelo Yishuv e suas contribuições para sua defesa foram reconhecidas por meio de vários lugares em Israel nomeados em sua homenagem, incluindo o Machon Wingate, a Faculdade de Educação Física perto de Netanya. 

 


Leia também