Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Cultura/Roteiro Cultural | 28/06/2021

Afonso Schmidt é celebrado em Cubatão

Arquivo Histórico Municipal de Cubatão

Semana comemora aniversário do filho mais ilustre da cidade.

A Prefeitura Municipal de Cubatão celebra, de 29/6 a 2/7, a Semana Municipal Afonso Schmidt em homenagem ao escritor, filho mais ilustre da cidade. Comemorada desde 1974, a Semana relembra a vida e obra de Schmidt. Por conta da pandemia, as ações este ano são virtuais.

 

Breve documentário e jogo virtual da memória

Um vídeo produzido pela Secom reconta parte da história de Afonso Schmidt em uma viagem pelos corredores da Biblioteca Municipal onde estão abrigados pertences pessoais do escritor como fotos, óculos, troféus, manuscritos. No dia 29 de junho, data de nascimento de Schmidt, o vídeo será veiculado nas redes sociais da Prefeitura.

 

Outra ação é um jogo de memória virtual, baixado via aplicativo, disponibilizado para alunos do município com faixa etária entre 4 e 8 anos de idade. As imagens destacam o acervo com apetrechos pessoais do nobre cubatense. “É importante para relembrarmos a memória do escritor cubatense e sua trajetória”, destaca Patrícia Mussi, chefe de divisão de Bibliotecas e Arquivo Histórico.

 

Afonso Schmidt

Afonso Schmidt nasceu em Cubatão, mas foi um cidadão do mundo. Em meados de 1906, trabalhou na construção da Linha Férrea Santos – Jundiaí. Mas ele era um homem das letras e em suas “desventuras” acabou desbravando a Europa com pouco mais que a roupa do corpo e ajuda financeira de seus pais, empregos temporários  e amigos do lado de cá do continente.

 

Todas essas experiências se tornaram grandes aventuras, lhe concederam vasto repertório que culminaram na fundação de diversos jornais e cadeiras em periódicos tradicionais como Estado de São Paulo, Folha de São Paulo e em A Tribuna e Folha Noite, em Santos. Foram mais de 40 livros de sua autoria e Schmidt foi dos pioneiros nos livros de ficção científica. Criou diversas publicações, algumas em favor da causa operária e por fim foi sócio-fundador do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo.

 

Poeta e crítico ferrenho do fascismo e clericalismo, colecionou comendas como o prêmio da revista O Cruzeiro em 1950. Em 1963 recebeu o Troféu Juca Pato – prêmio intelectual do ano. É patrono da cadeira 138 do Instituto Histórico e Geográfico de Santos, foi premiado pela Academia Brasileira de Letras e membro da Academia Paulista de Letras.


Leia também