Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Colunistas/Saúde e Beleza | 24/07/2021

Xantelasma

Júlia Mendes é médica dermatologista e pediatra. CRM: 101090-SP / RQE: 32157/ RQE: 27484

Freepik

São placas amareladas planas ou ligeiramente elevadas localizadas nas regiões palpebrais

Por que surgem o xantelasma?

Trata-se de xantomas planos que são lesões cutâneas decorrentes de depósito de lípides (gordura) na pele.

São exteriorização, na cútis, de doenças por distúrbio local ou geral do metabolismo lipídico.

 

 

Quais são as doenças correlacionadas com o xantelasma?

Cerca de 50% das pessoas que tem xantelasma apresentam anormalidades nas lipoproteínas séricas (exame de colesterol alterado).

 

 

Queixa do paciente com xantelasma?

A queixa é apenas estética, por estar sempre aparente na face, ao redor dos olhos, acaba trazendo um constrangimento e impacto estético negativo.

A lesão em si não apresenta nenhum sintoma. 

 

 

Quais são os tratamentos para o xantelasma?

Os xantelasmas podem ser tratados por várias maneiras, exemplos:

Cirurgia: exérese (remoção) e sutura (pontos) sob anestesia local; 

Uso de ácidos (ATA) em sessões seriadas;

Laser (laser CO2);

Eletrocoagulação. 

O objetivo do tratamento é sumir com a lesão, porém, todos os tratamentos têm um pequeno risco de deixar uma marca mínima ou cicatriz, que é proporcional ao seu tamanho, tempo de instalação e localização.

Nos indivíduos com tendência ao xantelasma existe a possibilidade de surgir no mesmo local as lesões, mesmo após a remoção ou destruição completa.

 

O médico dermatologista é o responsável por diagnosticar e tratar o xantelasma.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete a linha editorial e ideológica do Jornal da Orla. O jornal não se responsabiliza pelas colunas publicadas neste espaço.


 


Leia também

Colunistas | 16/10/2021
Colunistas | 09/10/2021
Colunistas | 02/10/2021