Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Novo Coronavírus/Novo Coronavírus | 24/07/2021

Vacinação reduz número de mortes por Covid-19

Govesp

Redução do número de casos permite fechar leitos em Santos.

Dados do Ministério da Saúde indicam que o número de mortes por Covid-19 no Brasil vem diminuindo conforme aumenta o número de pessoas vacinadas. Nesta semana, houve redução de 14% nas mortes em relação à semana anterior. A média móvel de óbitos registrada na terça-feira (22) - 1,2 mil - é a menor dos últimos quatro meses.


Na sexta-feira (23), segundo o Ministério da Saúde, o Brasil superou a marca de 130 milhões de doses aplicadas, sendo que 93 milhões de pessoas receberam a primeira dose, ou seja 58% da população-alvo (brasileiros maiores de 18 anos).


Os dados reforçam as informações que constam em relatório preparado pelo próprio Ministério da Saúde e encaminhado à CPI da Covid, que apura as razões pelas quais a pandemia levou mais de 547 mil pessoas à morte e deixou milhões de sequelados. Apesar de possuir 2,7% da população mundial, o Brasil tem 13,2% das vítimas fatais por covid-19 no planeta.


O documento atesta que os medicamentos do chamado kit-covid” são ineficazes no combate ao novo coronavírus. “Os medicamentos foram testados e não mostraram benefícios clínicos nos pacientes hospitalizados, “não devendo ser utilizados”, diz o relatório. 


Os remédios mais recorrentes no “kit-covid”, inclusive prescritos por médicos, são hidroxicloroquina, cloroquina, azitromicina, ivermectina, lopinavir/ritonavir, colchicina e plasma convalescente. 

 

Especialista culpa Bolsonaro por mortes

Apesar de possuir 2,7% da população mundial, o Brasil tem 13,2% das vítimas fatais por covid-19 no planeta. O sanitarista Gonzalo Vecina, fundador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avalia que o governo federal demorou demais na aquisição de vacinas. Segundo ele, metade das mortes por covid-19 ocorridas até maio de 2021 são de responsabilidade do presidente Jair Bolsonaro. “A partir de maio, 100% das mortes que nós tivemos são responsabilidade de Bolsonaro, pois teria condição de vacinar a população inteira do Brasil até maio”.

 

Redução do número de casos permite fechar leitos em Santos

Também reflexo da vacinação, a Prefeitura de Santos desativou na terça-feira (20) 40 leitos (20 de enfermaria e 20 de UTI) criados na UPA Central para o atendimentos de pacientes com Covid-19. “Estamos desativando, mas rapidamente já podemos ativar os leitos, se necessário. Isso está sendo feito graças aos bons números que apresentamos”, destacou o prefeito Rogério Santos.


A taxa de internações vem caindo à medida que a vacinação na cidade avança. Na quinta-feira (22), a taxa geral de ocupação dos 604 leitos covid-19 em Santos era de 35% e de 40% dos 322 leitos de UTI.


Até as 18h de quinta-feira (22), haviam sido aplicadas 401 mil doses de vacina. 80% da população-alvo (maiores de 18 anos) receberam ao menos uma dose e  33% estão com o esquema vacinal completo.
 


Leia também